Falso jaborandi (Piper aduncum L.) 

Falso jaborandi

Nome Cientifico: PIPER ADUNCUM L.

FAMILIA: DAS PIPERACEAE

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: JABORANDIBA vem do tupi guarani, e significa “Fruto que faz a língua dormir e salivar”. Também é conhecida como: Aperta-ruão, Aperta-joão, Matico falso, Caa-peba, Pimenta de fruto ganchoso, Cheirosa e Amora de morcego.  

 

ORIGEM: Espécie muito comum e presente em praticamente todos os biomas florestais do Brasil, estando presente nos estados do Amazonas, Amapá, Pará, Ceará, Mato Grosso, Goiás, Baia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, e Paraná. 

 

CARACTERISTICAS: Arbustos a arvoretas de 1,5 a 8 m de altura quando na floresta com ramos cilíndricos, estriados (com sulcos pouco profundos) e pubescentes (coberto de lanugem) com entrenós de 5,5 a 12 cm de espaçamento e caules com 2 a 8 cm de diâmetro na altura de 30 cm do solo. Os ramos novos são frágeis, de coloração verde amarelada e juntamente com as folhas são muito aromáticos. A bainha (lamina de proteção) é curta, de cor verde escura está fixada na base do pecíolo (haste ou suporte) que é viloso (com pelos densos e longos), medindo 4 mm a 2 cm de comprimento. As folhas são alternas, oblongo-lanceoladas (mais longa que larga e com forma de lança), papirácea (textura de papel), com glândulas translúcidas, medindo 11 a 15 cm de comprimento e 3,3 a 6,5 cm de largura, com base assimetrica (desigual) e cordada (como coração), sendo na faze juvenil pubescente (coberta de pelos) e puberulas (cobertas de pó), tornando-se glabrescentes quando mais velhas. As flores surgem nas axilas das folhas em espigas pendentes de 8 a 9,5 cm de comprimento com centenas de minúsculas flores que após serem fecundadas, formam frutícolos agregados ou unidos numa espiga longa, com 4 a 6 mm de espessura, de cor verde acinzentada, adocicada e com sabor de bala de hortelã.

 

Dicas para cultivo: Planta subtropical, rústica e muito adaptável tanto a ambientes secos ou úmidos (mais livres de encharcamentos), locais ensolarados ou sombrios, suportando secas de até 4 meses e a geadas de até – 3 graus negativos se estiver sob a copa de outras arvores. Pode ser cultivada em todo o Brasil em qualquer altitude, em solos bem drenados, com pH entre 4,5 a 6,5, que sejam profundos e ricos em matéria orgânica. Pode ser plantado a pleno sol onde frutifica fartamente ou na sombra de arvores grandes onde frutifica menos.

 

Mudas: As sementes são minúsculas como grão de areia e conservam o poder germinativo por até 6 meses ano se guardadas limpas e secas. As sementes devem ser semeadas em jardineiras com substrato feito de 50% de areia e 50% de matéria orgânica bem curtida. É bom cobrir com uma fina camada de substrato peneirado e compactar levemente com a mão antes de irrigar.

 

O índice de germinação fica em torno de 95% e ocorre em 30 a 50 dias. As plântulas devem ser transplantadas para sacos individuais quando atingirem 10 cm de altura. As mudas atingem 40 cm com 7 a 8 meses após a germinação.

 

Formar as mudas em ambiente sombreado. As mudas originadas de sementes iniciam a frutificação com 2 a 3 anos, e mudas originadas de estacas enraizadas tiradas da planta mãe iniciam a frutificação com 1 ano, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Plantando: No pomar planta-se num espaçamento de 2  ou 3 m entre plantas. As covas devem ter 40 cm nas três dimensões e convém adicionar aos 20 cm da superfície 4 pás de matéria orgânica bem curtida, 1 kg de cinzas, 300 g de calcário, misturar tudo e deixar curtir por 2 meses. A melhor época de plantar é nos meses de outubro a dezembro, após o plantio irrigar com 10 l de água por semana nos primeiros 2 meses. No primeiro ano a planta ainda não aprofundou o sistema radicular e por isso precisa receber irrigação a cada 15 dias até o pleno estabelecimento.

 

Cultivando: Fazer apenas poda de formação e eliminar os ramos que nascerem cruzados ou deitados, podendo fazer podas de limpeza retirando galhos muito compridos e velhos que já produziram, estimulando assim novas brotações mais produtivas. No primeiro ano de plantio é importante ficar taquaras para tutorar a planta para que não tombe com ventos fortes. Adubar com composto orgânico, pode ser 2 pás de matéria orgânica bem curtida + 20 gr de N-P-K 10-10-10, distribuindo em coroas a 20 cm do caule. A quantia de adubação deve ser dobrada até o 2ª ano, e depois permanecer com o mesmo volume de adubação consecutivamente. Para uma boa produtividade é importante irrigar a planta 2 vezes na semana se estiver plantada em solo seco.

 

Usos: Frutifica em Novembro a Fevereiro. As espigas ficam longas e arqueadas e com cor cinzento esverdeada e bem mole quando madura; tendo delicioso sabor que lembra bala de hortelã. Estes podem ser consumidos in-natura ou na forma de sucos refrescantes. Os frutos atraem inúmeras espécies de pássaros e também são apreciados por morcegos frutíferos e macacos.

 

As folhas quando esfregadas no corpo tem efeito de repelente natural. A planta também pode ser cultivada como ornamental ou em áreas sombreadas e já reflorestadas visando fornecer alimento para a fauna em geral. A planta tem óleos essenciais e é rica em propriedades tônicas, carminativas, antiespasmódicas, estomáquicas e anti-bactericidas.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus