BARDANA (Arctium lappa L.)

BARDANA


Família: Compositae


Sinonímia: Bardana-maior, pega-nossa, erva-dos-tinhosos; orelha de gigante; gobô Origem: Europa, acredita-se que a Ásia seja o verdadeiro local de origem.


Descrição: Planta herbácea de lugares úmidos, com altura de 1 a 2,00 m de altura, bastante ramificada, folhas largas e rugosas, flores vivazes e brilhantes, de cor marrom e púrpura, formando capítulos, frutos em espécies de bolas espinhosas, aderem a qualquer coisa que neles toquem, fruto tipo aquênio, sementes e raízes têm sabor doce, sendo que as folhas têm sabor amargo e raramente utilizadas As raízes podem conter até 46% de inulina.


Uso fármaco-terapêutica: Diurético, fortificante


Propagação: sementes, raízes.


Parte utilizada: Raiz de 1 ano, folhas frescas, sementes e flores secas.


Constituintes químicos principais: óleo essencial (arctiol com 45% de inulina),Sais minerais (carbonato e nitrato de potássio, sais de cálcio, ferro, magnésio e sódio) Materiais graxas, tanino, resina, goma; composto antibiótico (semelhante à penicilina).


Formas farmacêuticas habituais: Infuso, decocto, extrato fluido, tintura, pó, elixir, vinho, xarope.


Indicação, Preparo e Posologia: Hipoglicemiante, depurativa, diurética, diaforética, cicatrizante , anti-inflamatória, bactericida, fungicida, estimulante do couro cabeludo nas dermatites descamantes, queda de cabelos, micose e frieiras (uso externo), soporífica, emoliente, calmante, purificante, anti-séptica, anti-seborreico, adstringente.


A principal indicação terapêutica da bardana é em doenças crônicas da pele. Apresenta uma marcante ação depuradora do sangue. Pode auxiliar no tratamento de diabetes por possuir propriedades hipoglicemiante. É utilizada para acalmar a dor e a tumefação produzidas por picadas de insetos como da aranha.


a) Decocção: 10g de raiz para 1 litro d’água tomar 2 a 3 xícaras por dia, adoçando com mel, depois de esfriar.
b) Cataplasma: raízes frescas (uso externo).
c) Compressa: fazer decocção com 20 g de raízes frescas em 1 litro d’água , aplicar 3 a 4 vezes ao dia nas partes afetadas.
d) Infusão: 1 colher (sopa) de folhas e flores secas picadas em um litro d’água. Tomar 3 a 4 xícaras (chá) ao dia.
e) Xampus tônicos capilares, cremes e loções para peles oleosas com cravos e espinhas 1-3% de extrato glicólico ou decocto.

 

A bardana é uma planta medicinal muito conhecida e usada desde a antiguidade e, como se diz, suas propriedades nunca foram contestadas. A bardana forma uma haste vertical de até mais de um metro, com folhas bem grandes na base e cada vez menores para cima. O que a distingue são os cachos de flores que se transformam em carrapichos, que se agarram fortemente à roupa. Seu nome científico é Arctium lappa, da família Compositae.


Segundo um livro bem popular, a bardana provoca suor, é diurética, aumenta a urina e é ótima contra cálculos renais, moléstias da pele; grande depurativa do sangue, do fígado, dos rins; remédio antissifilítico; folhas untadas com azeite ou seu suco, aplicam-se sobre feridas; para reumatismo; ajuda o crescimento e evita a queda do cabelo.


Já num livro inglês recente se lê que a bardana era um purificador tradicional do sangue, que se combinava muitas vezes nas poções populares com o vinho de dente-de-leão. Em tempos foi popular contra a indigestão. Na China se empregam as sementes para afastar os “males do ar e o calor”. Também reduzem o nível de açúcar no sangue. Esta última indicação, muito importante para os nossos dias, é acentuada em outro livro, também inglês, que diz textualmente, na tradução espanhola: “Hace poco que se há demostrado que los extractos de semillas reducen el nivel de azúcar en la sangre”. O mesmo livro ainda diz que a bardana é usada internamente para enfermidades cutâneas ou condições inflamatórias causadas por toxicidade (em especial eczemas, psoríase, reumatismo, gota, furúnculos e chagas). É importante lembrar que vários autores indicam esta planta para tratar a psoríase. As palavras de outra autora inglesa resumem e englobam os principais usos desta planta: “Estimuladora do apetite, colagoga, sudorífera, tônica e calmante”, a bardana sempre tem utilidade, mas a propriedade que a faz ocupar um lugar importante na farmácia caseira é a de depuradora do sangue.

 

Ela retira substâncias tóxicas do organismo através de sua atuação sobre a bilis, rins e glândulas sudoríparas, aliviando a congestão do sistema
linfático. A raiz é a parte mais usada.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • b-googleplus