BARDANA (Arctium lappa L.)

BARDANA


Família: Compositae


Sinonímia: Bardana-maior, pega-nossa, erva-dos-tinhosos; orelha de gigante; gobô Origem: Europa, acredita-se que a Ásia seja o verdadeiro local de origem.


Descrição: Planta herbácea de lugares úmidos, com altura de 1 a 2,00 m de altura, bastante ramificada, folhas largas e rugosas, flores vivazes e brilhantes, de cor marrom e púrpura, formando capítulos, frutos em espécies de bolas espinhosas, aderem a qualquer coisa que neles toquem, fruto tipo aquênio, sementes e raízes têm sabor doce, sendo que as folhas têm sabor amargo e raramente utilizadas As raízes podem conter até 46% de inulina.


Uso fármaco-terapêutica: Diurético, fortificante


Propagação: sementes, raízes.


Parte utilizada: Raiz de 1 ano, folhas frescas, sementes e flores secas.


Constituintes químicos principais: óleo essencial (arctiol com 45% de inulina),Sais minerais (carbonato e nitrato de potássio, sais de cálcio, ferro, magnésio e sódio) Materiais graxas, tanino, resina, goma; composto antibiótico (semelhante à penicilina).


Formas farmacêuticas habituais: Infuso, decocto, extrato fluido, tintura, pó, elixir, vinho, xarope.


Indicação, Preparo e Posologia: Hipoglicemiante, depurativa, diurética, diaforética, cicatrizante , anti-inflamatória, bactericida, fungicida, estimulante do couro cabeludo nas dermatites descamantes, queda de cabelos, micose e frieiras (uso externo), soporífica, emoliente, calmante, purificante, anti-séptica, anti-seborreico, adstringente.


A principal indicação terapêutica da bardana é em doenças crônicas da pele. Apresenta uma marcante ação depuradora do sangue. Pode auxiliar no tratamento de diabetes por possuir propriedades hipoglicemiante. É utilizada para acalmar a dor e a tumefação produzidas por picadas de insetos como da aranha.


a) Decocção: 10g de raiz para 1 litro d’água tomar 2 a 3 xícaras por dia, adoçando com mel, depois de esfriar.
b) Cataplasma: raízes frescas (uso externo).
c) Compressa: fazer decocção com 20 g de raízes frescas em 1 litro d’água , aplicar 3 a 4 vezes ao dia nas partes afetadas.
d) Infusão: 1 colher (sopa) de folhas e flores secas picadas em um litro d’água. Tomar 3 a 4 xícaras (chá) ao dia.
e) Xampus tônicos capilares, cremes e loções para peles oleosas com cravos e espinhas 1-3% de extrato glicólico ou decocto.

 

A bardana é uma planta medicinal muito conhecida e usada desde a antiguidade e, como se diz, suas propriedades nunca foram contestadas. A bardana forma uma haste vertical de até mais de um metro, com folhas bem grandes na base e cada vez menores para cima. O que a distingue são os cachos de flores que se transformam em carrapichos, que se agarram fortemente à roupa. Seu nome científico é Arctium lappa, da família Compositae.


Segundo um livro bem popular, a bardana provoca suor, é diurética, aumenta a urina e é ótima contra cálculos renais, moléstias da pele; grande depurativa do sangue, do fígado, dos rins; remédio antissifilítico; folhas untadas com azeite ou seu suco, aplicam-se sobre feridas; para reumatismo; ajuda o crescimento e evita a queda do cabelo.


Já num livro inglês recente se lê que a bardana era um purificador tradicional do sangue, que se combinava muitas vezes nas poções populares com o vinho de dente-de-leão. Em tempos foi popular contra a indigestão. Na China se empregam as sementes para afastar os “males do ar e o calor”. Também reduzem o nível de açúcar no sangue. Esta última indicação, muito importante para os nossos dias, é acentuada em outro livro, também inglês, que diz textualmente, na tradução espanhola: “Hace poco que se há demostrado que los extractos de semillas reducen el nivel de azúcar en la sangre”. O mesmo livro ainda diz que a bardana é usada internamente para enfermidades cutâneas ou condições inflamatórias causadas por toxicidade (em especial eczemas, psoríase, reumatismo, gota, furúnculos e chagas). É importante lembrar que vários autores indicam esta planta para tratar a psoríase. As palavras de outra autora inglesa resumem e englobam os principais usos desta planta: “Estimuladora do apetite, colagoga, sudorífera, tônica e calmante”, a bardana sempre tem utilidade, mas a propriedade que a faz ocupar um lugar importante na farmácia caseira é a de depuradora do sangue.

 

Ela retira substâncias tóxicas do organismo através de sua atuação sobre a bilis, rins e glândulas sudoríparas, aliviando a congestão do sistema
linfático. A raiz é a parte mais usada.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

ALBUQUERQUE, J.M. Plantas medicinais: de uso popular. Brasília: ABEAS. 96p. 1989 (Programa Agricultura nos Trópicos, v.6).


ALMEIDA, E. R. de. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda., 1993. 341p.


ALZUGARAY, D.; AZULGARAY, C. Enciclopédia das plantas que curam: a natureza a serviço de sua saúde. 2v. São Paulo, 1996. 500p.


AMOROZO, M. C. de M. Algumas notas adicionais sobre o emprego de plantas e outros produtos com fins terapêuticos pela população cabocla do município de Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 9(2): 249 – 265, 1993.


AMOROZO, M. C. de M. e GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 4(1): 47 – 131, 1988.


BALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina, 23ed. São Paulo: A Edificação do Lar. v.III. 1967, 917p.


BALBACH, A. As plantas curam. 1ed., ver./mod. São Paulo: Vida Plena. 1995, 415p.


BERG, M.E.V.D. Aspectos botânicos do culto afro-brasileiro da casa das minas do maranhão. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 485 - 498, 1991.


BERG, M. E.V.D. Plantas de origem africana de valor sócio-econômico atual na região amazônica e no meio-norte do Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 499-510, 1991.

 

BERG, M.E.V.D. Plantas medicinais na amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. Belém: Museu. Paraense Emílio Goeldi, 1993, 207 p.


CARIBÉ, J.; CAMPOS, J.M. Plantas que ajudam o homem. Cultrix / Pensamento Ed. 1991. 321p.


CASTRO, L.O. de Plantas Medicinais, condimentares e aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Agropecuária, 1995. 196p.
COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ed. Belém: CEJUP, 1994. 335p.


CORRÊA JÚNIOR, C.; Ming, L.C.; Scheffer, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2a.ed. Jaboticabal, FUNEP, 1994. 151p.


CRUZ, G.L. Dicionário das plantas úteis do Brasil. 4a.ed. Rio de Janeiro: Ed. Beltrand Brasil S.A. 1964. 599p.


DINIZ, M.F.F.M.; OLIVEIRA,R.A.G.; MEDEIROS, A.C.D. e MALTA JÚNIOR, A. Memento fitoterápico: as plantas como alternativa terapêutica – aspectos populares e científicos. UFPB, Ed. 1997. 201p.


FRANCO, L.L. As sensacionais 50 plantas medicinais campeãs de poder curativo. O Naturalista Ed. 1997. 241p.


LOBATO, A. M. Fitoterapia. Belém: Gráfica e Editora Amazônia, 1997. 123p.


MAIA, J.G. et al. Espécies de Piper da Amazonia ricas em safrol. Quimica Nova, Sao Paulo. 10(3):200-204, 1987.


MAIA, J.G; GREEN, C.L.; MILCHARD, M.J. New sources of natural safrole. Perfumer & Flavorist, vol. 18, 1993.


MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M. de; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, impr. Univ., 1994.219p.


MARTINS, J.E.C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. 2ed. Belém: CEJUP, 1989.


MORGAN, R. Enciclopédia das Ervas e Plantas Medicinais. Hemus, Ed. 1997. 555p.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. ; AKISSUE, M.K. Farmacognosia. São Paulo: Atheneu, 412p. 1991.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. Fundamentos de farmacobotânica. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1989. 222p.


PANIZZA, S. Plantas que curam – cheiro de mato. IBRASA. Ed. 1998.279p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP,


Serviço de Documentação e Informação, 1994. 114p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 114p. 1994.


RIGUEIRO, M.P. Plantas que curam. Paulus, Ed.1992. 183p.


SANTIAGO, E.J.A. de. Aspectos anatômicos e do crescimento da pimenta longa (Piper hispidinervium C.DC.) em condições in vitro e in vivo. Lavras: UFLA, 1999.118p. (Dissertação – Mestrado em Fitotecnia).


SANTOS, C.A.M.; TORRES, R.K.; LEONART, R. Plantas medicinais. Ilustrações Flávio Mariano Filho – São Paulo: Ícone, 1988.


SILVA JÚNIOR, A.A.; VIZZOTTO, V.J.; GIORGI, E.; MACEDO, S.G.; MARQUES, L.F. Plantas medicinais, caracterização e cultivo. Florianópolis: EPAGRI, `994. 71p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 68).


SILVA, I.; FRANCO, L.S.; MOLINARI, S.L.; CONEGERO, C.I.; MIRANDA NETO, M.H.; CARDOSO, M.L.C.; SANT’ANA, D.M.G. e IWANKO, N.S. NOÇÕES SOBRE O ORGANISMO HUMANO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS. Assoeste, Ed. 1995. 203p. EDITORA – UFLA/FAEPE – Compêndio de 208 Plantas Medicinais

 

TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium Laboratório Botânico, Curitiba, PR. 1995.317p.


VIEIRA, L.S. Fitoterapia da Amazônia: Manual de Plantas Medicinais (a Farmácia de Deus). 2a.ed. São Paulo. Agronômica Ceres, 1992. 347p.


VON HERTWIG, I.F. Plantas aromáticas e medicinais: Plantio, colheita, secagem e comercialização; 2a. ed.; São Paulo: Icome, 1991.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus