CALÊNDULA (Calendula officinalis L.)

CALÊNDULA


Família: Asteraceae (compositae)


Sinonímia: Maravilha-dos-pudins, mal-me-quer, verrucária, bem-me-quer,


Origem: Índia


Descrição: Erva anual que cresce até meio metro de altura, a calêndula adapta-se em qualquer clima, podendo ser encontrada em quase todas as regiões do mundo. Possui folhas ovaladas e verde-pálidas e flores compostas por numerosas pétalas de cor brilhante variando do amarelo-claro ao alaranjado. Sendo de uso medicinais, cosmético e culinária. Suas pétalas têm um delicado sabor aromático e amargo A calêndula floresce quase o ano todo. Temperaturas noturnas muito elevadas diminuem o tamanho das flores. Suporta geadas e secas. Pode ser cultivado em vários tipos de solos, mas exige matéria orgânica. As flores de calêndula possuem 0,2 a 0,3% de essência.


Uso farmaco-terapêutica: Anti-alérgica, Anti-inflamatória, cicatrizante e antisséptica (uso externo), sudaífica, analgésica, colagoga, antiviral, antiemetica, vasodilatadora, acne, suavizante, refrescante, emenagoga, bactericida, antifúngica.


Propagação: sementes


Parte utilizada: Flores e folhas


Constituintes químicos principais: Calendolina, princípio amargo, mucilagem.


Formas farmacêuticas habituais: Tinturas, infusão, decocto, extrato, fluido, xarope.


Indicação, Preparo e Posologia: Em casos de inflamação da pele e da membrana mucosa, queimaduras suaves, queimaduras do sol, escaras,  vermelhamento de peles sensíveis e delicadas. Estimula a granulocitose e fagocitose auxiliando no combate à infecções. Favorece a regeneração de tecidos danificados, além de exercer atividade antisséptica.


a) Pomada e Tintura - feitas com flores e folhas. Usar sobre partes afetadas 3 a 4 vezes ao dia; a tintura diluída com água destilada pode ser aplicada diretamente em ferimentos diversos exercendo um excelente cicatrizante. Utiliza-se 1 a 2 partes de água para 1 tintura.


b) Infusão - 2 colheres (sopa) de flores em ½ litro de água (emenagoga) ou 2 colheres (sopa) de flores em 1 xícara (chá) de água (contra acne). No primeiro caso, toma-se 1 xícara (chá) antes de cada refeição principal, começando 8 dias antes da menstruação; no segundo caso, toma-se ½ xícara (chá) de manhã e ½ a noite.


c) Cataplasma - folhas e flores tenras, socadas e empacotadas, sobre um pano limpo, são aplicadas nos ferimentos.

A calêndula é uma planta não muito conhecida pela nossa população. Entretanto foi muito famosa em outros tempos, usada de maneiras múltiplas e objeto de histórias e lendas. Ainda hoje dela se fala em todos os livros sobre plantas medicinais, cosméticas e ornamentais. Seu nome científico é Calendula officinalis, da família Compositae. É originária do sul da Europa. O que em primeiro lugar chama nela atenção é a cor amarela a alaranjada de suas vistosas flores. É cultivada para produção de flores de corte, prestando-se também para bordaduras e para formar maciços em canteiros. Em 1551 dizia um autor: "Alguns a usam para tingir seu cabelo de amarelo... não estando satisfeitos com sua cor." E já no século XII se recomendava olhar simplesmente para a planta para melhorar a vista, aliviar a cabeça e induzir alegria.


A calêndula tem também uso na culinária. As pétalas podem ser tomadas frescas em saladas. São, porém, mais usadas para dar uma cor de açafrão e um leve gosto picante ao arroz, sopas de peixe e de carne, queijo, manteiga, bolos e pães doces. Um de seus principais usos é na cosmética, onde é usada em cremes e loções para peles sensíveis e impuras, produtos pós barba e pós depilação, xampus, condicionadores capilares, sabonetes, no tratamento da acne e na prevenção e tratamento de assaduras de crianças. É ainda protetor da radiação ultra violeta.


Medicinalmente é anti-inflamatória e tem propriedades cicatrizantes, sendo usada para ulcerações da pele e ferimentos, queimaduras suaves, queimaduras do sol. É também útil para aliviar cólicas, dores de estômago, resfriados e até tuberculose. Nos séculos XVII e XVIII foi tão estimada para o tratamento de tal quantidade de enfermidades, que os herboristas deviam ter sempre à disposição tonéis da mesma. Externamente foi usada como verrucária, quer dizer para tirar verrugas, e até meados do século XIX, como "herba cancri", foi um conhecido remédio contra o câncer, caindo depois no  esquecimento. 


Ainda hoje, homens do campo usam as flores da calêndula como barômetro: se as flores depois das 7 hs da manhã ainda estão fechadas, anunciam chuva; se abrem entre as 6hs e as 7hs, prometem um dia ensolarado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

ALBUQUERQUE, J.M. Plantas medicinais: de uso popular. Brasília: ABEAS. 96p. 1989 (Programa Agricultura nos Trópicos, v.6).


ALMEIDA, E. R. de. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda., 1993. 341p.


ALZUGARAY, D.; AZULGARAY, C. Enciclopédia das plantas que curam: a natureza a serviço de sua saúde. 2v. São Paulo, 1996. 500p.


AMOROZO, M. C. de M. Algumas notas adicionais sobre o emprego de plantas e outros produtos com fins terapêuticos pela população cabocla do município de Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 9(2): 249 – 265, 1993.


AMOROZO, M. C. de M. e GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 4(1): 47 – 131, 1988.


BALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina, 23ed. São Paulo: A Edificação do Lar. v.III. 1967, 917p.


BALBACH, A. As plantas curam. 1ed., ver./mod. São Paulo: Vida Plena. 1995, 415p.


BERG, M.E.V.D. Aspectos botânicos do culto afro-brasileiro da casa das minas do maranhão. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 485 - 498, 1991.


BERG, M. E.V.D. Plantas de origem africana de valor sócio-econômico atual na região amazônica e no meio-norte do Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 499-510, 1991.

 

BERG, M.E.V.D. Plantas medicinais na amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. Belém: Museu. Paraense Emílio Goeldi, 1993, 207 p.


CARIBÉ, J.; CAMPOS, J.M. Plantas que ajudam o homem. Cultrix / Pensamento Ed. 1991. 321p.


CASTRO, L.O. de Plantas Medicinais, condimentares e aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Agropecuária, 1995. 196p.
COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ed. Belém: CEJUP, 1994. 335p.


CORRÊA JÚNIOR, C.; Ming, L.C.; Scheffer, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2a.ed. Jaboticabal, FUNEP, 1994. 151p.


CRUZ, G.L. Dicionário das plantas úteis do Brasil. 4a.ed. Rio de Janeiro: Ed. Beltrand Brasil S.A. 1964. 599p.


DINIZ, M.F.F.M.; OLIVEIRA,R.A.G.; MEDEIROS, A.C.D. e MALTA JÚNIOR, A. Memento fitoterápico: as plantas como alternativa terapêutica – aspectos populares e científicos. UFPB, Ed. 1997. 201p.


FRANCO, L.L. As sensacionais 50 plantas medicinais campeãs de poder curativo. O Naturalista Ed. 1997. 241p.


LOBATO, A. M. Fitoterapia. Belém: Gráfica e Editora Amazônia, 1997. 123p.


MAIA, J.G. et al. Espécies de Piper da Amazonia ricas em safrol. Quimica Nova, Sao Paulo. 10(3):200-204, 1987.


MAIA, J.G; GREEN, C.L.; MILCHARD, M.J. New sources of natural safrole. Perfumer & Flavorist, vol. 18, 1993.


MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M. de; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, impr. Univ., 1994.219p.


MARTINS, J.E.C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. 2ed. Belém: CEJUP, 1989.


MORGAN, R. Enciclopédia das Ervas e Plantas Medicinais. Hemus, Ed. 1997. 555p.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. ; AKISSUE, M.K. Farmacognosia. São Paulo: Atheneu, 412p. 1991.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. Fundamentos de farmacobotânica. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1989. 222p.


PANIZZA, S. Plantas que curam – cheiro de mato. IBRASA. Ed. 1998.279p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP,


Serviço de Documentação e Informação, 1994. 114p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 114p. 1994.


RIGUEIRO, M.P. Plantas que curam. Paulus, Ed.1992. 183p.


SANTIAGO, E.J.A. de. Aspectos anatômicos e do crescimento da pimenta longa (Piper hispidinervium C.DC.) em condições in vitro e in vivo. Lavras: UFLA, 1999.118p. (Dissertação – Mestrado em Fitotecnia).


SANTOS, C.A.M.; TORRES, R.K.; LEONART, R. Plantas medicinais. Ilustrações Flávio Mariano Filho – São Paulo: Ícone, 1988.


SILVA JÚNIOR, A.A.; VIZZOTTO, V.J.; GIORGI, E.; MACEDO, S.G.; MARQUES, L.F. Plantas medicinais, caracterização e cultivo. Florianópolis: EPAGRI, `994. 71p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 68).


SILVA, I.; FRANCO, L.S.; MOLINARI, S.L.; CONEGERO, C.I.; MIRANDA NETO, M.H.; CARDOSO, M.L.C.; SANT’ANA, D.M.G. e IWANKO, N.S. NOÇÕES SOBRE O ORGANISMO HUMANO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS. Assoeste, Ed. 1995. 203p. EDITORA – UFLA/FAEPE – Compêndio de 208 Plantas Medicinais

 

TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium Laboratório Botânico, Curitiba, PR. 1995.317p.


VIEIRA, L.S. Fitoterapia da Amazônia: Manual de Plantas Medicinais (a Farmácia de Deus). 2a.ed. São Paulo. Agronômica Ceres, 1992. 347p.


VON HERTWIG, I.F. Plantas aromáticas e medicinais: Plantio, colheita, secagem e comercialização; 2a. ed.; São Paulo: Icome, 1991.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus