Camomila - (Matricaria chamomilla L.)

Matricaria recutita L.
Matricaria chamomilla L.
Matricaria discodea

Camomila


Família


Asteraceae.


Nomenclatura popular: Camomila, matricária, maçanilha.


Parte utilizada/órgão vegetal: Inflorescências.


INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS


Antiespasmódico, ansiolítico e sedativo leve. Anti-inflamatório em afecções da cavidade oral.


CONTRAINDICAÇÕES


A gestantes devido à atividade emenagoga e relaxante da musculatura lisa. Pacientes com hipersensibilidade ou alergia a plantas da família Asteraceae.


PRECAUÇÕES DE USO


Não há informações sobre precauções gerais e relacionadas a possíveis efeitos teratogênicos, na amamentação ou uso pediátrico. Relatos sobre segurança e eficácia durante a gestação não estão disponíveis.


EFEITOS ADVERSOS


A presença de lactonas sesquiterpênicas nas flores de camomila poderá desencadear reações alérgicas em indivíduos sensíveis, e tem sido descrita dermatite de contato para algumas preparações contento camomila. Poucos casos de alergia foram atribuídos especificamente a camomila. Um caso de reação anafilática por ingestão de flores de camomila foi registrado.


INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS


Uso interno


Foram descritas interações com varfarina, estatinas e contraceptivos orais.


FORMAS FARMACÊUTICAS


Infuso.(19) Cápsula ou comprimido contendo extrato seco (padronizado em 1,2% de apigenina).


Extrato fluido (1:1): em solução hidroetanólica a 45%.


VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E POSOLOGIA


(DOSE E INTERVALO)


Oral. Administrar 150 ml do infuso (5-10 min após o preparo), 3-4 vezes entre as refeições (acima de 12 anos). Administrar 1-4 ml do extrato fluido para adultos (3 vezes ao dia) ou 0,6-2 ml em dose única (crianças maiores que 3 anos). Não utilizar em crianças menores de 3 anos.
Bochechos e/ou gargarejos: administrar o infuso (5-10 minutos após o preparo), 3 vezes ao dia.


Uso externo


Tópica. Compressas: utilizar a infusão preparada com 30-100 g de droga vegetal em 1000 ml de água.


Infuso: 6-9 g em 150 ml ou 30-100 g em 1000 ml.


TEMPO DE UTILIZAÇÃO


Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre o tempo máximo de utilização. O tempo de uso depende da indicação terapêutica e da evolução do quadro acompanhada pelo profissional prescritor.


SUPERDOSAGEM


Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre problemas decorrentes de superdosagem. Em caso de ingestão de quantidades acima das recomendadas o paciente deve ser observado.


PRESCRIÇÃO


Fitoterápico isento de prescrição médica.


PRINCIPAIS CLASSES QUÍMICAS


Flavonoides (apigenina, luteolina). Cumarina (umbeliferona). Óleo essencial (farneseno, alfa-bisabolol, óxidos de alfa-bisabolol, alfa-camazuleno, espiroéteres).

INFORMAÇÕES SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA


Ensaios não-clínicos 

Farmacológicos


Extratos de camomila apresentaram ação anti-inflamatória, neuro-protetora, antialérgica, antibacteriana e anti tumoral. Estudo realizado com extrato aquoso de camomila demonstrou atividade anti-inflamatória seletiva sobre a COX-2. Uma formulação contendo extrato fluido de camomila foi considerada efetiva no tratamento de mucosite oral em hamsters. O decoto de camomila apresentou potente atividade antidiarreica e antioxidante em ratos.


Toxicológicos


Não foram observados sinais de toxicidade ou mortalidade em camundongos tratados com extrato metanólico de camomila (3,20 g/kg). Não foram observados efeitos mutagênicos e citotóxicos (camundongos) quando a tintura foi administrada em dosagem proporcional à utilizada em humanos.


Efeitos genotóxicos em Allium cepa só foram observados em doses maiores do que as normalmente utilizadas na terapêutica. O infuso de camomila produziu fraca citotoxidade diante das células mononucleares periféricas do sangue.


Ensaios clínicos
Farmacológicos


Foi observada atividade ansiolítica em um grupo tratado com o extrato de camomila padronizado (1,2% de apigenina), sugerindo uma possível eficácia no tratamento de desordens de ansiedade leve à moderada. A realização de bochechos com extrato hidroetanólico de camomila diluído em água permitiu a redução do quadro de inflamação gengival.  Foi observada diminuição de lesões superficiais de pele por meio da intervenção com um extrato de camomila e quando aplicado na forma de creme sobre a pele mostrou atividade anti-inflamatória superior à hidrocortisona 0,25%.

 

Preparações

à base de camomila apresentaram efeito benéfico em casos de mucosite decorrente de radiação.


Toxicológicos


Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.
 

 

Esta planta medicinal é ima das de uso mais universal. De tão universal e comum sofre o perigo de, no fim, não se saber mais exatamente para que, afinal, é indicada. Seu nome científico é Matricaria chamomilla. Popularmente é também chamada camomilados-alemães, camomila vulgar e maçanilha, e se distingue da camomila romana ou camomila-nobre, que é outra planta, de nome científico Anthemis nobilis.


A camomila é uma erva que deve ser semeada a cada ano. Atinge cerca de meio metro de altura, com folhas muito repartidas, flores com uma cabecinha amarela, oca, e pétalas brancas ao redor. O que se aproveita é esta cabecinha, que tem um cheiro característico próprio da camomila e inconfundível. A camomila é certamente uma das plantas mais usadas em todos os lugares e desde tempos antiquíssimos. Já era apregoada por Dioscórides, médico grego do exército romano de Nero. Em sua obra ‘Matéria Médica’ diz textualmente: “As raízes, as flores e, em suma toda a erva, têm força de aquecer e afinar. Provocam a menstruação, o parto, a urina e também a pedra se bebem ou o enfermo se senta sobre seu cozimento. Dão a beber contra as ventosidades e contra a doença ilíaca.


Curam a icterícia e as enfermidades do fígado. Serve seu cozimento de muito útil fomentação contra doenças da bexiga.” Comparando estas indicações antigas com a atual, vemos que essencialmente são as mesmas: “A camomila é sedativa, anti-inflamatória, analgésica, age contra cólicas do estômago e do intestino e também estimula a menstruação.”


Além das funções medicinais tem a camomila também funções cosméticas, como diz,por exemplo, o mesmo livro de Dioscórides, agora atualizado por Pio Font Quer: “A flor da camomila se utiliza também para dar cor ruiva ao cabelo ou para conservá-lo desta cor. Para isto se recomenda a infusão concentrada da camomila.”

REFERÊNCIAS

Disponível em: . Acesso em: 06 maio2016.(2) LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. PlantasMedicinais do Brasil: Nativas e Exóticas. NovaOdessa: Instituto Plantarum, 2002. 512 p.(3)

 

BRASIL. Agência Nacional de VigilânciaSanitária. Farmacopeia Brasileira. 5. ed. v. 2.Brasília, DF: ANVISA, 2010. 885 p.(4)

 

BRASIL. Agência Nacional de VigilânciaSanitária. Formulário de Fitoterápicos daFarmacopeia Brasileira. 1. ed. Brasília, DF:ANVISA, 2011. 126 p.(5)

 

ARRUDA, J.T.; APPROBATO, F.C.; MAIA,M.C.S.; SILVA, T.M.; APPROBATO, M.S. Efeitodo extrato aquoso de camomila (Chamomilla recutitaL.) na prenhez de ratas e no desenvolvimentodos filhotes. Revista Brasileira de PlantasMedicinais,v. 15, p. 66-71, 2013.(6

 

) SMERIGLIO, A.; TOMAINO, A.;TROMBETTA, D. Herbal products in pregnancy:Experimental studies and clinical reports.Phytother Res, v. 28, p. 1107–1116, 2014.(7)

 

DSTYCHOVA, E.; ZAHEJSKY, J. Contacthypersensitivity to camomile. Ceskoslovenskadermatologie, v. 67, p. 14–18, 1992.(8)

 

SUBIZA, J. et al. Allergic conjunctivitis to chamomiletea. Annals of allergy, v. 65, p. 127–132,1990.(9)

 

PAULSEN, E.; ANDERSEN, K.E.; HAUSEN,B.M. Compositae dermatitis in a Danish dermatologydepartment in one year. Contact dermatitis,v. 29, p. 6–10, 1993.(10)

 

HAUSEN, B.M.; BUSKER, E.; CARLE,R. Über das Sensibilisierungsvermögenvon Compositenarten. VII. ExperimentelleUntersuchungen mit Auszügen und Inhaltsstoffenvon Chamomilla recutita (L.) Rauschert undAnthemis cotula L. Planta medica, p. 229–234,1984.(11)

 

BENNER, M .H.; LEE, H. J. Anaphylacticreaction to chamomile tea. Journal of allergy andclinical immunology, v. 52, p. 307–308, 1973.(12)

 

CASTERLINE, C. L. Allergy to chamomiletea. Journal of the American Medical Association,v. 244, p. 330–331, 1980.(13)

 

SUBIZA, J. et al. Anaphylactic reaction afterthe ingestion of chamomile tea: a study of crossreactivitywith other composite pollens. Journal ofallergy and clinical immunology, v. 84, p. 353–358, 1989.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • b-googleplus