Capim Limão (Cymbopogon citratus (DC)Stapf.)

Capim Limão

Nome Técnico: Cymbopogon citratus (DC)Stapf.

Sinonímia Científica: Andropogon schoenanthus L.; Andropogon citratus DC. ex Nees; Andropogon citratus DC.; Andropogon ceriferus Hack.; Andropogon citriodorum Hort. ex Desf.; Andropogon roxburghii Nees ex Steud; Andropogon nardus subsp. ceriferus (Hack.) Hack.; Andropogon densiflorus Steud; Cymbopogon densiflorus (Steud) Stapf.; Cymbopogon citriodorus Link. 
 

Nomes Populares : Capim-limão, capim cidreira, capim cidró, erva-cidreira

Família : Angiospermae – Poaceae

Origem: Originária da Europa, cultivada em todo o Brasil.

Descrição: Erva perene e cespitosa, de raiz estolonífera e com numerosos colmos eretos, até 2 m de altura, cilíndricos, compactos, sólidos finamente estriados e com os nós intumescidos; bainha frouxa, lisa, mais curta do que os entrenós; lígula muito curta; lâminas compridas, estreitas, planas, lineares, lanceoladas, acuminadas, arredondadas e semiamplexicaules na base, nervura central grossa e canaliculada, glauca, glabra (exceto nas margens que são híspidas), aromática. Inflorescência em panícula de 40 cm de comprimento ou mais, contraída, composta de numerosos fascículos de espigas finamente pediceladas e com brácteas internas ou externas aquilhadas, de cor vermelho-brilhante na maturação; ráquis e pedicelos revestidos de pelos brancos; espiguetas amarelo-esverdeadas, sendo as pedunculadas com as glumas 8 a 10 nervadas. Toda a planta exala um aroma particular, acre, não desagradável, semelhante ao do limão, o qual desaparece com a secagem e persistindo somente no rizoma. Reproduz-se por divisão de touceira, deixando-se grupos de 3 mudas. Durante as 2 primeiras semanas deixar as mudas em local sombreado.


Partes Usadas: Folhas ou rizoma.

Ayurveda

Aspectos energéticos: Sabor (rasa): amargo picante.

                                           Efeito energértico (virya): frio

                                           Efeitos pós-digestivo (vipak): picante

Atuação nos Doshas: Vatta: neutro.

                                         Pitta: equilibra.

                                         Kapha: equilibra.

É considerada uma planta masculina.


Formas Farmacêuticas: Infuso, decocto, maceração ou essência.


Emprego: Aromático, diaforético, estimulante, emenagogo, contra febres intermitentes. Calmante ou antiespasmódico nas cólicas, carminativo, expectorante e nas diarreias. O óleo essencial dessa espécie possui ação antibacteriana, aumenta o tempo de sono e tem propriedade anticonvulsivante. O efeito analgésico é atribuído à presença do mirceno nesta espécie. A maceração deve ser feita com 40 folhas picadas e batidas no liquidificador juntamente com 1 litro de água, passar em peneira bem fina. O infuso é feito com 6 folhas frescas em uma xícara de água. Tomar à vontade.


Constituição Química:  Óleos essenciais contendo citral e seus isômeros geranial e neral. Vários aldeídos como: citronelal, iso-valeraldeído e decil-aldeído, cetonas, álcoois, metil-heptenol, farnesol, terpenos, como depenteno e -mirceno. Ácido, como acético.

 

Constituintes fixos da parte aérea: flavonoides, substâncias alcaloídicas, uma saponina esteroidal, β-sitosterol, n-hexacosanol e n-triacontanol. Triterpenoides isolados da cera que recobre as folhas: o cimbopogonol e cimbopagona.


Contraindicação: Na gravidez. No glaucoma, devido à habilidade do citral, seu principal componente volátil, de aumentar a pressão ocular em doses muito pequenas, de 2 a 5 mcg. Na hiperplasia prostática, pela influência estimulante nos receptores de estrogênio. Superdosagem pode provocar hipocinesia, ataxia, bradipneia, perda de postura, sedação e diarreia.


Interações Medicamentosas e Associações: O componente β-mirceno pode induzir enzimas que diminuem os níveis séricos de drogas metabolizadas por essas enzimas (losartan, varfarina, propanolol, tilenol, viagra, e várias outras). Pode ser associado ao limão e à hortelã.


Toxicidade: Reação alérgica, alveolite (inalação), pequena elevação da bilirrubina direta e amilase. É seguro usá-lo como óleo, extrato e óleo-resina.

FÓRMULA   

 

Componentes         Quantidade


folhas  secas                 1 – 3 g
água q.s.p.                    150 mL


ORIENTAÇÕES PARA O PREPARO


Preparar por infusão considerando a proporção indicada na fórmula.


MODO DE USAR


Uso interno.


Acima de 12 anos: tomar 150 mL do infuso, 5 minutos após o preparo, duas a três vezes ao dia.

Referências Bibliográficas

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus