Capuchinho (Tropaeolum majus L.)

Capuchinho

Nome botânico: Tropaeolum majus L.

 

Sin.: Cardaminum majus (L.) Moench


Nome popular: capuchinha, cinco-chagas, agriao-do-mexico


Familia: Angiospermae – Família Tropaeolaceae


Origem: desconhecida, provável  América do Sul

Outros nomes: agrião-do-méxico, agrião-grande-do-peru, agrião-maior-da-índia, capuchinha-de-flores-grandes, capuchinha-grande, chagas, flor-de-chagas, capucina, capuchinho, chagas-de-flores-grandes, chagas-da miúda, chaguinha, chaga-de-cristo cinco-chagas, cochlearia-dos-jardins, coleária-dos-jardins, 5 chagas, curculiare, flor-de-sangue, mastruço, mastruço-do-peru, nastúrcio, nastúrio, sapatinho-do-diabo, Capuchina (espanhol), capucine (francês), nasturtium, garden nasturtium, Indian Cress, Climbing-Nasturtium (inglês), nasturzio comune e tropeolo (italiano), Abou Khandgar (Árabe), Abû Khangar (Árabe).
 

Nomes Botânicos: Cardamindum majus (L.) Moench, Tropaeolum elatum Salisb., Tropaeolum hortense Sparre, Tropaeolum hybridum L., Tropaeolum pinnatum Andrews, Tropaeolum quinquelobum Bergius, Trophaeum majus (L.) Kuntze., T. pentaphyllum Lam.,
 

Nome Farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Partes Usadas: botões florais, caule, flores, folhas, frutos, pó dos frutos secos.
 

Sabor: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Constituintes Químicos: ácido ascórbico, ácido clorogênico, ácido erúcico, ácido tropaeolínico, açúcares pigmentos (glicose e frutose), benzil cianido, ß-caroteno, glucotropaeolina (transforma em antibióticos), helenina, isoquercitrina, kaempferol, maltose, mirosina (enzima), óleo essencial, pectinas, pelargonidina, quercetina, resinas, sais, benzil-isocianeto.
 

Propriedades Medicinais: antibiótico natural, antiescorbútico, aperiente, ativador da circulação sanguínea, béquico, depurativo, digestivo, diurético, estimulante, expectorante, fungicida, purgativo (frutos secos), remineralizante, sedativo, tônico, tônico capilar, tonificante, revigorante, afrodisíaco, vitamina C, calmante, alergênico, analgésico, antialopetico, anti-séptico, bactericida, cicatrizante, emenagogo, expectorante, febrífugo, gastrogôgo, hemostático, inseticida, laxativo, pectoral, vesicante, antiinflamatório, nutritivo.
 

Indicações (Uso Interno): adrenomieloneuropatia, afecções pulmonares, desinfetante das vias urinárias, escorbuto, escrofulose, falta de apetite, impurezas no sangue, infecções geniturinárias e respiratórias, insônia, problemas digestivos, retenção de líquidos, tosse, expectorante anticatarral, prevenir prisão de ventre, a planta apresenta antibióticos naturais de amplo espectro, anemia, alopecia, angina, afta, sangramento, bronquite, câncer, câncer pulmão, conjuntivite, constipação, cândida, dispepsia, enfisema, febre, fungo, gases, dor de cabeça, gengivite, infecção, infertilidade, mialgia, nefrose, oftalmia, sofrimento, salmonela, tuberculose, urogenitose, bronquite, tônico do pâncreas e da bile.
 

Indicações (Uso Externo): acne, afecções da pele, caspa, eczema, fortalecedor do couro cabeludo, infecções bacterianas e fungais, pele envelhecida, pele e cabelos, cistose, enfraquecidos, prevenir a queda de cabelos, psoríase, hematoma, dermatose, enrisipela, Staphylococcus, queimadura do sol, artrite inflamatória, desinteria por Shigella, tônico capilar, 
 

Indicações Pediátricas: desaconselhado para crianças abaixo de 5 anos.
 

Informações em outros sistemas de saúde: os bolivianos utilizam decocção de folhas para tratar mialgia e reumatismo. Os europeus usam como anti-séptico urinário. Na Guatemala utilizam para bronquite. Mexicanos usam para tratar câncer. Os peruanos utilizam alimentam as galinhas com a planta para tratar gripe das galinhas. Peruano utilizam chá ou decocção para tratar alopecia, afta, cistite, dor de cabeça, hemorroidas, dor de garganta, estomatite.
 

Contra-indicações: é contra indicada na gastrite, gravidez, lactação, hipotireoidismo, insuficiência cardíaca ou renal. Pode causar irritação gástrica, ação antitireóidica indutora de bócio. O uso excessivo pode causar hipotensão e potencialização dos efeitos de cardiotônicos. Evite uso em casos de úlceras gastrointestinais. Bebês abaixo de 5 anos.
 

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Cultivo: cresce melhor em solos ricos em matéria orgânica, aerados, úmidos. Propagação por sementes diretamente em canteiros de março a setembro. Florescimento de agosto a novembro, colheita dos frutos de outubro a dezembro, dois meses depois do plantio. Espaçamento de 50 x 60 cm entre plantas, em solos com bom teor de umidade e em áreas parcialmente sombreadas. Apresenta boa aclimatação em climas quentes. O plantio deve ser realizado em solos livres de contaminações (metais pesados, resíduos químicos e coliformes). A água de irrigação deve ser limpa e de boa qualidade. O cultivo deve ser preferencialmente orgânico: sem aplicação de agrotóxicos, com rotação de culturas, diversificação de espécies, adubação orgânica e verde, controle natural de pragas e doenças.
 

Habitat: Espécie autóctone das regiões tropicais de altitude, especialmente dos campos altos e pedregosos do Peru. 
 

Descrição botânica: Planta anual, suculenta e que se alastra com facilidade; caule mole, retorcido longo carnoso; folhas arredondadas, de coloração azul-esverdeada, presas pelo centro das partes inferiores dos talos; flores vistosas, afuniladas, isoladas ao longo do pedúnculo, com coloração que variam de amarelo a vermelho escuro; fruto formado por 3 aquênios pequenos de coloração esverdeada.
 

Toxicidade: doses muito elevadas podem causar irritação nas mucosas e na pele.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus