CARQUEJA (Baccharis trimera (Less) D.C.)

Baccharis trimera (Less.) DC.
Baccharis articulata (Lam.) Pers.
Baccharis uncinella DC.

CARQUEJA


Família: Asteraceae (Compositae)


Outras espécies: Baccaris genistelloides (Person)


Sinonímia: Vassoura, cacaia amarga, tiririca-de-babado, bacanta, carqueja amargosa


Origem: Brasil


Descrição: Arbusto ereto e ramoso, medindo de 20 a 80cm de altura. Possui caule lenhoso, alado em sua extensão, com alas seccionadas  alternadamente, levemente nervada. As folhas são bastante reduzidas e ovais. Apresenta Inflorescência em capítulos, quase sempre aglomerados, de coloração amarela, fruto tipo aquênio, linear, glabro. As carquejas são encontradas em quase todo Brasil. A B. trimera floresce no verão e no inverno. Ocorre numa grande variedade de solos. Comercializa-se a planta toda, exceto galhos muito grossos ( mais que 7 mm).


Uso farmaco-terapêutica: Má digestão ( facilita a digestão), azia, inflamação de garganta, inflamação das vias urinárias, feridas, reumatismo, afecções hepáticas, hipoglicêmica, antidiabética, prisão de ventre.


Propagação: estacas e sementes.


Parte utilizada: Toda a planta, principalmente parte aérea.


Constituintes químicos principais: óleo essencial – carquejol, acetato de carquejol, nopineno calameno, eledol, eudesmol. Principio amargo, matéria resinosas, pécticas.


Formas farmacêuticas habituais: Infuso, decocto, extrato fluido, tinturas, elixir, vinho, xarope.


Indicação, Preparo e Posologia: Anemias, diabetes, obesidade, diurético, tônico, reumatismo, gota, má digestão. É utilizado na indústria de refrigerante e licores, e na fabricação de cerveja, substituindo o lúpulo. Exerce uma ação benéfica sobre o fígado e intestinos. Pode reduzir o colesterol.


a) Infusão - 1 xícara (café) em ½ litro de água. Tomar 1 a 2 xícaras após as refeições e ao deitar.
b) Vinho medicina l- Macerar por 5 dias, 1 colher (sopa) de hastes em ½ copo de cachaça, misturar numa garrafa de vinho branco. Tomar 1 cálice antes das refeições  (digestivas)
c) Tintura - 1 colher (sobremesa) 8 em 8 horas
d) Infusão forte: Uso externo 60 g em 1 litro de água. Aplicar diretamente em locais afetados.

 

Muito abundante em nosso estado, a carqueja é também muito familiar para a maioria da população, sendo usada basicamente para problemas digestivos. A carqueja pertence a um grupo muito grande de plantas, do qual faz parte também, por exemplo, a vassoura comum, tão usada para varrer o pátio e para esquentar o forno de pão. São duas as espécies muito usadas como medicinais. Uma é a que geralmente é chamada simplesmente carqueja, que tem o nome científico Baccharis trimera. A outra é chamada carquejinha, com o nome científico Baccharis articulata. Ambas são da família das Compostas. Encontram se em potreiros, em roças abandonadas, em capoeiras baixas, enfim em lugares ensolarados.


As duas têm uma coisa em comum: elas não têm propriamente folhas. Ao longo dos galhinhos muito ramificados, mais na carquejinha que na carqueja, se estendem umas aletas, que substituem as folhas. Na carqueja são três e na carquejinha duas. As aletas da carqueja são mais largas e de um verde claro. A carquejinha tem aletas bem estreitas e a cor é de um verde acinzentado. Estas carquejas não são árvores. A carquejinha tem porte ereto, com raminhos fortes, com até mais de um metro de altura. A carqueja tem os raminhos finos e fracos e por isso costuma formar touceiras deitadas.


Na tradição popular as duas carquejas são tomadas como chás em caso de problemas digestivos. É comum usá-las no chimarrão. No livro ‘Medicina campeira e povoeira’ de Hélio Moro Mariante, a carqueja é febrífugo, estomacal, diurética e fortificante, e a carquejinha febrífugo e digestiva. Um verso de Luiz Alberto Ibarra ensina: "A contra-erva e a carqueja prá o vidente que deseja fortificar a carcaça". Um livro argentino, que trata das plantas usadas na medicina popular, diz isto da carqueja: "Los tallos contienen un ácido resínico y absintina, sustancias que, a pesar de sus nombres difíciles, hacen de esta planta un excelente colagogo y un buen diurético".

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

ALBUQUERQUE, J.M. Plantas medicinais: de uso popular. Brasília: ABEAS. 96p. 1989 (Programa Agricultura nos Trópicos, v.6).


ALMEIDA, E. R. de. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda., 1993. 341p.


ALZUGARAY, D.; AZULGARAY, C. Enciclopédia das plantas que curam: a natureza a serviço de sua saúde. 2v. São Paulo, 1996. 500p.


AMOROZO, M. C. de M. Algumas notas adicionais sobre o emprego de plantas e outros produtos com fins terapêuticos pela população cabocla do município de Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 9(2): 249 – 265, 1993.


AMOROZO, M. C. de M. e GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 4(1): 47 – 131, 1988.


BALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina, 23ed. São Paulo: A Edificação do Lar. v.III. 1967, 917p.


BALBACH, A. As plantas curam. 1ed., ver./mod. São Paulo: Vida Plena. 1995, 415p.


BERG, M.E.V.D. Aspectos botânicos do culto afro-brasileiro da casa das minas do maranhão. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 485 - 498, 1991.


BERG, M. E.V.D. Plantas de origem africana de valor sócio-econômico atual na região amazônica e no meio-norte do Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 499-510, 1991.

 

BERG, M.E.V.D. Plantas medicinais na amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. Belém: Museu. Paraense Emílio Goeldi, 1993, 207 p.


CARIBÉ, J.; CAMPOS, J.M. Plantas que ajudam o homem. Cultrix / Pensamento Ed. 1991. 321p.


CASTRO, L.O. de Plantas Medicinais, condimentares e aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Agropecuária, 1995. 196p.
COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ed. Belém: CEJUP, 1994. 335p.


CORRÊA JÚNIOR, C.; Ming, L.C.; Scheffer, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2a.ed. Jaboticabal, FUNEP, 1994. 151p.


CRUZ, G.L. Dicionário das plantas úteis do Brasil. 4a.ed. Rio de Janeiro: Ed. Beltrand Brasil S.A. 1964. 599p.


DINIZ, M.F.F.M.; OLIVEIRA,R.A.G.; MEDEIROS, A.C.D. e MALTA JÚNIOR, A. Memento fitoterápico: as plantas como alternativa terapêutica – aspectos populares e científicos. UFPB, Ed. 1997. 201p.


FRANCO, L.L. As sensacionais 50 plantas medicinais campeãs de poder curativo. O Naturalista Ed. 1997. 241p.


LOBATO, A. M. Fitoterapia. Belém: Gráfica e Editora Amazônia, 1997. 123p.


MAIA, J.G. et al. Espécies de Piper da Amazonia ricas em safrol. Quimica Nova, Sao Paulo. 10(3):200-204, 1987.


MAIA, J.G; GREEN, C.L.; MILCHARD, M.J. New sources of natural safrole. Perfumer & Flavorist, vol. 18, 1993.


MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M. de; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, impr. Univ., 1994.219p.


MARTINS, J.E.C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. 2ed. Belém: CEJUP, 1989.


MORGAN, R. Enciclopédia das Ervas e Plantas Medicinais. Hemus, Ed. 1997. 555p.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. ; AKISSUE, M.K. Farmacognosia. São Paulo: Atheneu, 412p. 1991.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. Fundamentos de farmacobotânica. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1989. 222p.


PANIZZA, S. Plantas que curam – cheiro de mato. IBRASA. Ed. 1998.279p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP,


Serviço de Documentação e Informação, 1994. 114p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 114p. 1994.


RIGUEIRO, M.P. Plantas que curam. Paulus, Ed.1992. 183p.


SANTIAGO, E.J.A. de. Aspectos anatômicos e do crescimento da pimenta longa (Piper hispidinervium C.DC.) em condições in vitro e in vivo. Lavras: UFLA, 1999.118p. (Dissertação – Mestrado em Fitotecnia).


SANTOS, C.A.M.; TORRES, R.K.; LEONART, R. Plantas medicinais. Ilustrações Flávio Mariano Filho – São Paulo: Ícone, 1988.


SILVA JÚNIOR, A.A.; VIZZOTTO, V.J.; GIORGI, E.; MACEDO, S.G.; MARQUES, L.F. Plantas medicinais, caracterização e cultivo. Florianópolis: EPAGRI, `994. 71p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 68).


SILVA, I.; FRANCO, L.S.; MOLINARI, S.L.; CONEGERO, C.I.; MIRANDA NETO, M.H.; CARDOSO, M.L.C.; SANT’ANA, D.M.G. e IWANKO, N.S. NOÇÕES SOBRE O ORGANISMO HUMANO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS. Assoeste, Ed. 1995. 203p. EDITORA – UFLA/FAEPE – Compêndio de 208 Plantas Medicinais

 

TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium Laboratório Botânico, Curitiba, PR. 1995.317p.


VIEIRA, L.S. Fitoterapia da Amazônia: Manual de Plantas Medicinais (a Farmácia de Deus). 2a.ed. São Paulo. Agronômica Ceres, 1992. 347p.


VON HERTWIG, I.F. Plantas aromáticas e medicinais: Plantio, colheita, secagem e comercialização; 2a. ed.; São Paulo: Icome, 1991.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus