Anador (Chambá) - Justicia pectoralis Jacq.

Nome em português:

anador, melhoral, chambá, chachambá, trevo-do-pará, Alfredo, canelinha, trevo-cumaru, trevo-roxo Nome binomial: Justicia pectoralis Jacq.

 

Família: Acanthaceae

Constituintes:

Glicosídeo cumarínico (componente principal para ação medicinal), falvonóides, alcaloides indólicos, lignanos, umbeliferona, bataína, caroteno, vitamina C, aminoácidos e oligoelementos (manganês, níquel, escândio, vanádio).

Partes utilizadas: Folhas e talos.

Efeitos:

Interno: depressor do S.N.C (sistema nervoso central), analgésico, espasmolítico do músculo liso, broncodilatador, anti-inflamatório

Externo: anti-inflamatório, cicatrizante, analgésico.

Indicações:

– Problemas pulmonares: tosse, bronquite, bronqueolite, asma (princpalmente).

– Feridas, cortes

– Ansiedade

Ver outras indicações de uso tradicional em observações.

Efeitos secundários:

Há relatos de casos de alucinação após a inalação do anador em associação com outras plantas.

Contra-indicações:

Devido a falta de estudos do uso do anador em casos de gravidez e lactação, seu uso não é indicado nestas circunstâncias.

Interações:

Nenhuma conhecida.

Onde cresce o anador ?

O Anador é nativo da região tropical da América, encontrada principalmente na zona da América Central, como Cuba, Bahamas, Jamaica, Haiti, etc. No Brasil é mais comum no Norte e Nordeste (Amazonia e Ceará), mas também pode ser encontrado em outras regiões.

Quando colher ?

As folhas do anador podem ser colhidas durante todo o ano. O plantio pode ser feito através de sementes ou estacas.

Observações interessantes

Uma das primeiras descrições documentadas do uso do Anador foi em 1864, através do livro “El Médico Botánico Criollo”de Grosourdi, cujo efeito era peitoral. Em 1990, o Ministério da Saúde de Cuba, reconheceu seu uso medicinal como sedativo. Esta planta já foi documentada na Farmacopéia francesa (Ed. 9) e caribenha (1996). Em 2008, constava na Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse para o SUS.

O anador foi muito utilizado na América Central durante a Segunda Guerra Mundial devido a seu efeito sedativo e analgésico. Algumas populações do Brasil, além de usar o anador em casos de problemas respiratórios e feridas, também utilizam para tratar dores estomacais e cólicas. Alguns indígenas da Amazônia também utilizam suas semetes, em conjunto com outras plantas, em rituais devido a um efeito alucinógeno.

Um ensaio clínico duplo-cego, publicado em 1995, que utilizou cápsulas do extrato da planta em um grupo e diazepam em outro, demonstrou o efeito sedativo da planta. Além disso, a cumarina, um dos constituintes do anador, possui atividades antiinflamatórias e cicatrizantes comprovadas.

Na Costa Rica, o anador é utilizado tradicionalmente em casos de sintomas de pré-menopausa e menopausa. Investigando este uso, pesquisadores da Universidade de Costa Rica em parceria com a Universidade de Chicago, endossaram este uso tradicional demonstrando in-vitro atividade estrogênica e progesterogênica agonista, além de atividades antiinflamatórias (2010).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

ALBUQUERQUE, J.M. Plantas medicinais: de uso popular. Brasília: ABEAS. 96p. 1989 (Programa Agricultura nos Trópicos, v.6).


ALMEIDA, E. R. de. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda., 1993. 341p.


ALZUGARAY, D.; AZULGARAY, C. Enciclopédia das plantas que curam: a natureza a serviço de sua saúde. 2v. São Paulo, 1996. 500p.


AMOROZO, M. C. de M. Algumas notas adicionais sobre o emprego de plantas e outros produtos com fins terapêuticos pela população cabocla do município de Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 9(2): 249 – 265, 1993.


AMOROZO, M. C. de M. e GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 4(1): 47 – 131, 1988.


BALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina, 23ed. São Paulo: A Edificação do Lar. v.III. 1967, 917p.


BALBACH, A. As plantas curam. 1ed., ver./mod. São Paulo: Vida Plena. 1995, 415p.


BERG, M.E.V.D. Aspectos botânicos do culto afro-brasileiro da casa das minas do maranhão. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 485 - 498, 1991.


BERG, M. E.V.D. Plantas de origem africana de valor sócio-econômico atual na região amazônica e no meio-norte do Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 499-510, 1991.

 

BERG, M.E.V.D. Plantas medicinais na amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. Belém: Museu. Paraense Emílio Goeldi, 1993, 207 p.


CARIBÉ, J.; CAMPOS, J.M. Plantas que ajudam o homem. Cultrix / Pensamento Ed. 1991. 321p.


CASTRO, L.O. de Plantas Medicinais, condimentares e aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Agropecuária, 1995. 196p.
COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ed. Belém: CEJUP, 1994. 335p.


CORRÊA JÚNIOR, C.; Ming, L.C.; Scheffer, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2a.ed. Jaboticabal, FUNEP, 1994. 151p.


CRUZ, G.L. Dicionário das plantas úteis do Brasil. 4a.ed. Rio de Janeiro: Ed. Beltrand Brasil S.A. 1964. 599p.


DINIZ, M.F.F.M.; OLIVEIRA,R.A.G.; MEDEIROS, A.C.D. e MALTA JÚNIOR, A. Memento fitoterápico: as plantas como alternativa terapêutica – aspectos populares e científicos. UFPB, Ed. 1997. 201p.


FRANCO, L.L. As sensacionais 50 plantas medicinais campeãs de poder curativo. O Naturalista Ed. 1997. 241p.


LOBATO, A. M. Fitoterapia. Belém: Gráfica e Editora Amazônia, 1997. 123p.


MAIA, J.G. et al. Espécies de Piper da Amazonia ricas em safrol. Quimica Nova, Sao Paulo. 10(3):200-204, 1987.


MAIA, J.G; GREEN, C.L.; MILCHARD, M.J. New sources of natural safrole. Perfumer & Flavorist, vol. 18, 1993.


MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M. de; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, impr. Univ., 1994.219p.


MARTINS, J.E.C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. 2ed. Belém: CEJUP, 1989.


MORGAN, R. Enciclopédia das Ervas e Plantas Medicinais. Hemus, Ed. 1997. 555p.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. ; AKISSUE, M.K. Farmacognosia. São Paulo: Atheneu, 412p. 1991.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. Fundamentos de farmacobotânica. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1989. 222p.


PANIZZA, S. Plantas que curam – cheiro de mato. IBRASA. Ed. 1998.279p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP,


Serviço de Documentação e Informação, 1994. 114p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 114p. 1994.


RIGUEIRO, M.P. Plantas que curam. Paulus, Ed.1992. 183p.


SANTIAGO, E.J.A. de. Aspectos anatômicos e do crescimento da pimenta longa (Piper hispidinervium C.DC.) em condições in vitro e in vivo. Lavras: UFLA, 1999.118p. (Dissertação – Mestrado em Fitotecnia).


SANTOS, C.A.M.; TORRES, R.K.; LEONART, R. Plantas medicinais. Ilustrações Flávio Mariano Filho – São Paulo: Ícone, 1988.


SILVA JÚNIOR, A.A.; VIZZOTTO, V.J.; GIORGI, E.; MACEDO, S.G.; MARQUES, L.F. Plantas medicinais, caracterização e cultivo. Florianópolis: EPAGRI, `994. 71p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 68).


SILVA, I.; FRANCO, L.S.; MOLINARI, S.L.; CONEGERO, C.I.; MIRANDA NETO, M.H.; CARDOSO, M.L.C.; SANT’ANA, D.M.G. e IWANKO, N.S. NOÇÕES SOBRE O ORGANISMO HUMANO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS. Assoeste, Ed. 1995. 203p. EDITORA – UFLA/FAEPE – Compêndio de 208 Plantas Medicinais

 

TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium Laboratório Botânico, Curitiba, PR. 1995.317p.


VIEIRA, L.S. Fitoterapia da Amazônia: Manual de Plantas Medicinais (a Farmácia de Deus). 2a.ed. São Paulo. Agronômica Ceres, 1992. 347p.


VON HERTWIG, I.F. Plantas aromáticas e medicinais: Plantio, colheita, secagem e comercialização; 2a. ed.; São Paulo: Icome, 1991.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus