Unha-de-gato (Dolichandra unguis-cati (L.) L.G. Lohman)

Unha -de-Gato

Nomes populares; Unha-de-gato, andirapoambé, batata-de-caboclo, batata-miúda, cipó-de-gato, cipó-de-morcego, erva-de-são-domingos, jeticarana, mão-de-galango, unha-de-morcego

Nome científico: Dolichandra unguis-cati (L.) L. G. L. Lohmann Basionônio Bignonia unguis-cati L.

Sinônimos: Batocydia exoleta Mart. ex DC. Batocydia unguis Mart. ex DC. Batocydia unguis-cati (L.) Mart. ex Britton Bignonia acutistipula Schltdl.

Bignonia californica Brandegee Bignonia dasyonyx S.F.Blake Bignonia exoleta Vell. Bignonia gracilis Lodd. Bignonia inflata Griseb. Bignonia lanuginosa Hemsl. Bignonia pseudounguis Desf.

Família: Bignoniaceae

Tipo: Nativa, não endêmica do Brasil.

Descrição: Liana; ramos cilíndricos, lisos, glabros, com lenticelas proeminentes. Pseudo-estípulas ausentes. Folhas 2-3-folioladas; pecíolo ca. 2,5 cm; folíolos 4,5-5,5 x 3 cm, elípticos, membranáceos a papiráceos, concolores, ápice acuminado, margem inteira a serrilhada, plana, base obtusa, nervação peninérvia, face adaxial pubérula, com tricomas nas nervuras, face abaxial pubescente, tricomas multicelulares; peciólulos ca. 1,5 cm; gavinha trifurcada no ápice, terminadas em garras. Inflorescência em tirso; eixo da inflorescência pubescente, verde-claro, glabro. Epicálice ausente; cálice ca. 8 x 12 mm, campanulado, truncado, glabro; corola 4-5 x 3-3,5 cm, amarela, infundibuliforme, glabra, ciliada no ápice com tricomas bífidos; estames inclusos, anteras glabras, estaminódio reduzido, glabro, disco nectarífero conspícuo. Cápsula septifraga ca. 100 x 0,8 cm, linear-achatada, cartáceo, glabro, cálice persistente. Sementes com alas membranáceas (SILVA, 2003, p. 12).

Característica: É facilmente reconhecida por apresentar gavinhas trifurcadas no ápice, terminadas em garras semelhantes a unhas de gato. A espécie mais semelhante é M. dentada, porém difere por apresentar cálice espatáceo, enquanto M. unguis-cati apresenta cálice campanulado (SILVA, 2003, p. 12).

Floração / frutificação: Floresce e frutifica várias vezes durante o ano.

Dispersão: Anemocórica

Hábitat: Ocorre na Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pampa, Pantanal e Mata Atlântica, na Floresta Ombrófila Mista, Floresta Ombrófila Densa, Floresta Estacional Decidual e Floresta Estacional Semidecidual.

Distribuição geográfica: No Brasil é encontrada no Norte (Roraima, Amapá, Pará, Amazonas, Tocantins, Acre, Rondônia), Nordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Sergipe), Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul), Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro), Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul) (LOHMANN, 2010).

Etimologia: O nome popular unha-de-gato é devido às gavinhas, que são trífidas e uncinadas.

Propriedades Fitoquímica: Glicosídeos, contendo o ácido quinóvico (“quinovic acid”), como aglicona.

Fitoterapia: As raízes possuem aplicações na medicina popular, sendo utilizada no tratamento da hepatite e como alexifármaca contra o veneno ofídico.

Fitoeconomia:  Nas raízes desta espécie desenvolvem-se túberas ovóides, de 3-4 cm de diâmetro, que são comestíveis após cozidas ou assadas, KINUPP, 2007, após experimentá-las como alimento, garante que após cozidas as raízes tuberosas mantêm uma consistência firme e crocante e um sabor suave. É ocasionalmente utilizada como ornamental, devido à bela e intensa floração.

Injúria: É considerada planta daninha infestante de pomares, áreas florestadas, pastagens e beira de estradas, sendo muito agressiva, chegando a cobrir completamente as árvores.

Bibliografia

ACEVEDO-RODRÍGUEZ, P. Vines and Climbing Plants of Puerto Rico and the Virgin Islands. Smithsonian Institution. Contributions from the United States National Herbarium. Volume 51: 1-483. 2005. Disponível em: <http://botany.si.edu/antilles/PRFlora/vines.html>.

Catálogo de Plantas e Fungos do Brasil, volume 1 / [organização Rafaela Campostrini Forzza... et al.]. - Rio de Janeiro : Andrea Jakobsson Estúdio : Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010. 2.v. 875 p. il. Disponível em:  <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_fungos_vol1.pdf>.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/12870>.

LOHMANN, L.G. 2010. Bignoniaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB113320).

LORENZI, H. Plantas Daninhas do Brasil: Terrestres, Aquáticas, Parasitas e Tóxicas. Instituto Plantarum. Nova Odessa, SP, 4ª ed.  2008. 672p. il.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/farmacia/cadfar/v13n1/pdf/CdF_v13_n1_p25_48_1997.pdf>.

PLANTAS DA FLORESTA ATLÂNTICA. Editores Renato Stehmann et al. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2009. 515p. Disponível em: <http://www.jbrj.gov.br/publica/livros_pdf/plantas_floresta_atlantica.zip>.

SCHULTZ, A. R. Botânica Sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.

SILVA, M. M.; QUEIROZ, L. P. A Família Bignoniaceae na Região de Catolés, Chapada Diamantina, Bahia, Brasil. Sitientibus Série Ciências Biológicas 3 (1/2); 3-21. 2003. Disponível em: <http://www.uefs.br/ppgbot/publicacoes/a_familia_bignoniaceae.pdf>.

UDULUTSCH, R. G. Composição Florística da Comunidade de Lianas Lenhosas em Duas Formações Florestais do Estado de São Paulo. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”; Universidade de São Paulo. Piracicaba, 2004. 125p. il. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/91/91131/tde-04102007-113425/>.

VILLAGRA, B. L. Diversidade Florística e Estrutura da Comunidade de Plantas Trepadeiras no Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Tese de Mestrado. Instituo de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2008. 172p. Disponível em: <http://www.biodiversidade.pgibt.ibot.sp.gov.br/teses_dissert/270208berta.htm>.

WEISER, V. L. Árvores, Arbustos e Trepadeiras do Cerradão do Jardim Botânico Municipal de Bauru, SP. Universidade Estadual de Campinas. Tese de Mestrado. 2007. 111p. Disponível em: <http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/72354/Arvores--arbustos-e-trepadeiras-do-cerradao-do-Jardim-Botanico-Municipal-de-Bauru--SP.html>.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • b-googleplus