ERVA-DE-JABOTI -  (Peperomia pellucida (L.) Kunth)

ERVA-DE-JABOTI

Nome científico: Peperomia pellucida (L.) Kunth. 

Família: Piperaceae. 

Sinônimos botânicos: Micropiper pellucidum (L.) Miq., Peperomia concinna (Haw.) A. Dietr., Peperomia pellucida var. minor Miq., Peperomia pellucida var. pygmaea Willd. ex Miq., Peperomia translucens Trel., Piper concinnum Haw., Piper pellucidum L. 

Outros nomes populares: comida-de-jaboti, coraçãozinho, corazón de hombre (casteliano), Ulasiman-bato, pansit-pansitan (tagalog), olasiman-ihalas (cebu, bisaya), tangon-tangon (bikol), peperomia (english), garrapatilla. 

Constituintes químicos: matricina e taninos. 

Propriedades medicinais: diurético (forte), emoliente, hipotensor, anti-inflamatória, digestiva. O óleo essencial das partes aéreas contém como principais compostos dillapiole (40%) e trans-cariofileno (10,7%), e quantidades menores de apiole, o composto relacionado safrol (5-hidroxi-3,4-metilenodioxi-alilbenzeno), carotol , farneseno, germacreno-D, biciclogermacreno, acacetina, nerolidol e octil-acetato. Os extractos das partes aéreas da planta produziram compostos muito complexos, incluindo peperominas A, B, C e E, pelicidina A, flavonóides, secolignanos, lignanos de tetra-hidrofurano, uma di-hidronaftalenona metoxilada, sesamina e isoswertisina. As partes aéreas também contêm β-cariofileno e óxido de cariofileno. Os secolignans e peperomin E apresentaram efeitos inibidores do crescimento em várias linhas celulares de câncer. A planta inteira e seus extratos são relatados como tendo atividades analgésica, antibacteriana, antifúngica e anti-inflamatória significativas e são usados ​​para diminuir os níveis de colesterol, contra a proteinúria e como diurético.O apiole tem ações peitorais e antiespasmódicas. Um extracto de metanol das partes aéreas dadas oralmente mostrou um efeito analgésico significativo na contorção induzida por ácido acético em ratos e ratinhos. Um extracto de água das partes aéreas dadas por via oral exibiu actividade anti-inflamatória significativa no teste de carragenina em ratos e ratinhos. Verificou-se que o extrato vegetal bruto e o extrato metanólico exibiam bons níveis de atividade antibacteriana de amplo espectro in vitro. Peperomia pelúcida apresentou baixa toxicidade (LD 50 = 5000 mg / kg). A composição nutricional das folhas frescas por 100 g é: água 92 g, energia 105 kJ (25 kcal), proteína 0,5 g, gordura 0,3 g, carboidrato 5,9 g, Ca 124 mg, P 34 mg, Fe 3,2 mg, β- caroteno 2,5 mg, tiamina 0,03 mg, riboflavina 0,07 mg, niacina 0,6 mg, ácido ascórbico 10 mg (Leung, W.-TW, Butrum, RR & Chang, FH, 1972).

Indicações: prurido, tosse, abscessos, furúnculos, conjuntivites, inchaços, digestão, refriados, constipação, inflamações do reto, enfermidades do coração. 

Parte utilizada: toda a planta. 

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada. 

Nota: em estudo toxicológico determinou-se que a decocção da planta, em uso oral, não é tóxica até a dosagem de 2g/k g de peso corporal. 

Modo de usar: 


- planta inteira: cataplasma morno: abscessos, reumatismo, fadiga; 
- folha contundidas: enxaqueca, convulsões; 
- infusão ou decocção: nervosismo, dor reumática, externamente em banhos; 
- suco das folhas: cólica e dores abdominais; 
- salada de folhas fresca. 

 

Habitat

Lugares escuros e úmidos em altitudes de até 2.000 metros no Nepal. Arvoredos úmidos ou úmidos ou floresta mista, muitas vezes uma planta daninha em terrenos residuais, mais comuns abaixo de 1.000 metros, mas subindo para 2.500 metros.

Medicinal

A Peperomia pelúcida tem uma longa história de uso medicinal na América do Sul, e esse uso se espalhou com a planta para outros países nos trópicos. Nas Filipinas, por exemplo, pertence à 'lista preferida' de plantas medicinais, sendo estudada para seu uso no tratamento de artrite e gota. 
Pesquisas mostraram a presença de vários compostos medicamente ativos. Estes incluem um óleo essencial com apiole como o ingrediente principal; vários flavonóides; e cinco novos compostos bioativos: dois secolignans, duas lignanas tetraidrofurânicas e uma dihidronaftalenona altamente metoxilada. O óleo essencial de toda a planta apresentou atividade fungicida com concentração inibitória mínima de 2.000 ppm, com ampla faixa de toxicidade e rápida atividade de abate  Era termoestável, permaneceu tóxico por pelo menos 150 dias, não era fitotóxico e não sistêmico. O óleo é antagônico ao crescimento de Helminthosporium oryzae (mancha marrom) no arroz. Um extrato das partes aéreas da planta mostrou atividades anti-inflamatória e analgésica. Um estudo do extrato de folhas mostrou efeitos depressores dose-dependentes, provavelmente devido a substâncias psicoativas que são depressoras do SNC. Outro estudo sobre o extrato de folhas mostrou efeitos antipiréticos comparáveis ​​a uma aspirina padrão.Um extrato de acetato de etila das plantas secas ao ar apresentou atividade antibacteriana contra Bacillus subtilis, Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus. A atividade antibacteriana foi mais potente que o padrão de penicilina usado. O extrato aquoso das folhas apresentou atividade antimutagênica. As folhas e caules são analgésicos, anticancerígenos, antifúngicos, antiinflamatórios, colagogos, diuréticos e refrigerantes. Eles são usados ​​no tratamento de bronquite e asma; gota e artrite; dor de cabeça; dor reumática; impotência, dor abdominal, problemas renais etc . Eles são usados ​​no Brasil para baixar os níveis de colesterol. Para o tratamento da artrite, as folhas e caules da planta fresca podem ser comidos como uma salada ou transformados em infusão. Para a infusão, coloque uma planta de 20cm em 2 copos de água fervente; e 1/2 xícara desta infusão é tomada de manhã e à noite. Externamente, as folhas e os caules são usados ​​como um enxágüe facial para o tratamento de problemas da pele. A planta inteira socada é usada como emplastro morno para o tratamento de úlceras, furúnculos, pústulas, espinhas e feridas. A seiva é usada como colírio para tratar catarata, infecções etc.

Principais referências

• Adegoke, EA, Akinsaya, A. & Naqvi, HZ, 1968. Estudos de fábricas medicinais de Nigéria: uma pesquisa preliminar de alcalóides de fábrica. Jornal da Associação de Ciência da África Ocidental 13: 13–33. 


• Arrigoni-Blank, M., Barros Oliveira, RL, Santos Mendes, S. de Albuquerque Silva, P., Antoniolli, AR, Carvalho Vilar, J. de Holanda Cavalcanti, SC & Blank, AF, 2002. Germinação de sementes , fenologia e actividade antiedematogica de Peperomia pellucida (L.) HBK BMC Pharmacology 2: 12-19. 


• Arrigoni-Blank, M., Dmitrieva, EG, Franzotti, ME, Antoniolli, RA, Andrade, MR & Marchiori, M., 2004. Atividade antiinflamatória e analgésica de Peperomia pellucida (L.) HBK (Piperaceae). Journal of Ethnopharmacology 91: 215–218. 


• Burkill, HM, 1997. As plantas úteis da África Tropical Ocidental. 2ª edição. Volume 4, Famílias M – R. Jardins botânicos reais, Kew, Richmond, Reino Unido. 969 pp. 


• Diniz, MA, 1997. Piperaceae. Em: Pope, GV (Editor). Flora Zambesiaca. Volume 9, parte 2. Royal Botanic Gardens, Kew, Richmond, Reino Unido. p. 24-37. 


• Immelman, KL, 2000. Contribuições da FSA 15: Piperaceae. Bothalia 30 (1): 25-30. 


• Khan, MR & Omoloso, AD, 2002. Atividade antibacteriana de Hygrophila stricta e Peperomia pellucida. Fitoterapia 73: 251-254. 


• Kiew, R., 1999. Peperomia pellucida (L.) Kunth. Em: de Pádua, LS, Bunyapraphatsara, N. & Lemmens, RHMJ (Editores). Recursos vegetais do Sudeste Asiático no 12 (1). Plantas medicinais e venenosas 1. Backhuys Publishers, Leiden, Holanda. pp. 379-381. 


• Neuwinger, HD, 2000. Medicina tradicional africana: um dicionário de uso e aplicações de plantas. Medpharm Scientific, Stuttgart, Alemanha. 589 pp. 
• Pousset, JL, 1989. Plantes médicinales africaines: utilisations pratiques. ACCT, Paris, França. 156 pp.

• Adjanohoun, EJ, Ahyi, AMR, Aké Assi, L., Baniakina, J., Chibon, P., Cusset, G., Doulou, V., Enzanza, A., Eymé, J., Goudoté, E., Keita, A., Mbemba, C., Mollet, J., Moutsamboté, J.-M., Mpati, J. & Sita, P. (Editores), 1988. Médecine traditionnelle and pharmacopée - Contribuição dos études etnobotânicos e florísticos en République Populaire du Congo. Agence de Coopération Culturelle et Technique, Paris, França. 606 pp. 


• Aziba, PI, Adedeji, A., Ekor, M. e Adeyemi, O., 2001. Atividade analgésica de partes aéreas de Peperomia pelúcida em camundongos. Fitoterapia 72: 57–58. 


• Bayma, JC, Arruda, MSP, Müller, AH, Arruda, AC & Canto, WC, 2000. Um composto de ArC2 dimérico de Peperomia pellucida. Phytochemistry 55: 779-782. 


• Silva, MHL, Zoghbi, MGB, Andrade, EHA e Maia, JGS, 1999. Os óleos essenciais de Peperomia pelúcida Kunth e P. circinnata Link var circinnata. Jornal de sabor e fragrância 14 (5): 312–314. 


• Düll, R., 1973. Die Peperomia-Arten Afrikas. Botanische Jahrbücher für Systematik, Pflanzengeschichte und Pflanzengeographie 93: 56–129. 


• Heine, B. & Heine, I., 1988. Conceitos de plantas e uso de plantas; um levantamento etnobotânico das terras semi-áridas e áridas da África Oriental. Parte 3. Plantas de Rendille (Quênia). Estudos de Desenvolvimento de Colónia 8. Breitenbach, Saarbrücken, Alemanha. 120 pp 


• Keay, RWJ, 1954. Piperaceae. Em: Keay, RWJ (Editor). Flora da África tropical ocidental. Volume 1, parte 1. 2ª edição. Agentes da Crown para Governos Ultramarinos e Administrações, Londres, Reino Unido. pp. 81-84. 


Kerharo, J. & Adam, JG, 1974. La pharmacopée sénégalaise traditionnelle. Plantes médicinales et toxiques. Vigot & Frères, Paris, França. 1011 pp. 


• Kokwaro, JO, 1993. Plantas medicinais da África Oriental. 2ª edição. Quênia Literature Bureau, Nairobi, Quênia. 401 pp 


• Leung, W.-TW, Butrum, RR & Chang, FH, 1972. Tabela de composição de alimentos para uso no leste da Ásia. Departamento de Saúde, Educação e Bem-Estar, Bethesda, Estados Unidos. 334 pp. 


• Moreira, DL, Souza, PO, Kaplan, MAC e Guimarães, EF, 1999. Análise de óleo essencial de quatro espécies de Peperomia (Piperaceae). Acta Horticulturae 500: 65-69. 


• Oliver-Bever, B., 1986. Plantas medicinais na África Ocidental tropical. Cambridge University Press, Cambridge, Reino Unido. 375 pp. 


• Raponda-Walker, A. & Sillans, R., 1961. Les plantes utiles do Gabão. Paul Lechevalier, Paris, França. 614 pp. 


Sofowora, A., 1996. Plantes médicinales et médecine traditionelle d'Afrique. Karthala, Paris, França. 378 pp. 


• van der Zon, APM & Grubben, GJH, 1976. Les légumes-feuilles spontanés et cultés du Sud-Dahomey. Comunicação 65. Département des Recherches Agronomiques, Koninklijk Institut voor de Tropen, Amesterdão, Países Baixos. 111 pp. 


• Wanke, S., Samain, M.-S., Vanderschaeve, L., Mathieu, G., Goetghebeur, P. e Neinhuis, C., 2006. Filogenia do gênero Peperomia (Piperaceae) inferida do trnK / matK região (cpDNA). Plant Biology 8: 93–102. 


Wome, B., 1985. Recherches etnofarmacognosiques sur les plantes médicinales utilisées en médecine traditionnelle à Kisangani (Haut-Zaïre). Tese de doutorado da Faculdade de Ciências da Universidade de Bruxelas, Bruxelas, Bélgica. 561 pp. 


• Xu, S., Li, N., Ning, MM, Zhou, CH, Yang, QR e Wang, MW, 2006. Compostos bioativos de Peperomia pelúcida. Journal of Natural Products 69 (2): 247-250

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • b-googleplus