Pega-pinto - Boerhavia diffusa L

Pega-pinto

Nome científico: Boerhavia diffusa L. 

Família: Nyctaginaceae. 

Sinônimos botânicos: Boerhavia adscendens Willd., Boerhavia caribaea Jacq., Boerhavia coccinea Mill., Boerhavia decumbens Vahl., Boerhavia erecta L., Boerhavia hirsuta Willd., Boerhavia glandulosa Anderson., Boerhavia paniculata Rich., Boerhavia patula Dombey ex Vahl., Boerhavia polymorpha Rich., Boerhavia viscosa Lag. & Rodr., Boerhavia repens L. 
 

Nome comum: pega-pinto, agarra-pinto, bredo-de-porco, erva-de-porco, batata-de-porco,    tangaracá, erva-tostão (Brasil), yerba tostada, yerba tutón (Argentina), etc.

Família: Nyctaginaceae

Origem e Habitat: Nativa do Brasil (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal).

Parte usada: a planta inteira, principalmente a raiz.

Uso popular: Segundo a Irmã Eva Michalak, esta planta é indicada para dispepsia, congestão do fígado, hepatite, nefrite, hidropisia, cálculos da vesícula biliar, retenção da urina e nervosismo. 

 

Di Stasi assinala que na Região da Mata Atlântica o uso principal é na forma de infusão das folhas para expulsão de vermes (lombrigas) ou na infusão da planta toda contra hepatite e diarréia. 

Pio Corrêa (1984) refere o uso da raiz para problemas do fígado, icterícia, excelente diurético e contra picadas de cobras. 

Na forma de cataplasma feito com as raízes moídas e fervidas é usada contra mordedura de cobras e bicho-de-pé. 

Na Índia, as raízes são usadas para tratar males do fígado, vesícula, rins e problemas urinários. Tem uso veterinário para abcessos de pele, onde é feito um emplasto com uma pasta misturada com vinagre(ALONSO, 2004).

 

Na Argentina a raiz é usada como colagogo, diurético (como diurético também os talos foliáceos), refrescante e purgante. A raiz é empregada como alimento. 

 

No Paraguai costuma-se incorporar as raízes machucadas ao mate tererê como bebida refrescante e energizante. 

 

Na Martinica empregam-se as folhas na forma de decocção para fazer gargarejos em casos de faringite e angina. A decocção ou o suco das folhas são recomendadas como analgésicas e anti-inflamatórias. 

 

 

Na Guatemala é empregada para tratar erisipela e como antiparasitário, etc.

Composição química: Alcalóides (concanvalina A, boerhavina), aminoácidos, ácido boerhávico, lignanas (liriodendrina, siringaresinol-B-glicosídeo), lipo-polissacarídeos, esteróis (beta-sitosterol, campesterol), ácido ursólico, liriodendrina, ácido esteárico, flavonóides, etc. 

Propriedades medicinais: antiblenorrágica, antidispéptica, anti-hidrópica, antileucorréica, antinefrítica, desobstruente, diurética, peitoral. 
 

Ações Fadrmacológicas: Foram demostradas as seguintes ações farmacológicas com extratos das raízes: hepatoprotetora, diurética, colerética, hipotensiva, antiparasitária, antimicrobiana, anti-inflamatória, anti-hemorrágica, antiespasmódica e imunomoduladora. 

Modo de usar: -decocção de 20 g de raíz fresca ou 10 g de raiz seca em um litro de água. Depois que ferver deixe durante 10 a 15 minutos. Após, tapar e deixar esfriar. Tomam-se 4 a 5 xícaras ao dia. 

Toxicidades: Muitos testes foram feitos em animais para estudos sobre a toxicidade desta planta e nenhum detectou toxicidade nem teratogenicidade. 

Contra indicação: Não há referências sobre contra-indicações, porém, pelo princípio da precaução, não é recomendado extratos desta planta na gravidez e lactação. 

Referências:

ALONSO, J. Tratado de Fitofármacos y Nutracéuticos. 1. ed. Rosario, Argentina: Corpus Libros, 2004. 

 

 

DI STASI, L.C. & HIRUMA-LIMA, C.A., Plantas medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica - São Paulo: editora Unesp, 2002. 

 

LORENZI, H; MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Nova Odessa , SP: Instituto Plantarum, 2008.

 

MICHALAK, E., irmã. Apontamentos fitoterápicos da Irmã Eva Michalak. Florianópolis: Epagri, 1997.

 

PIO CORRÊA, M. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro: IBDF, Ministério da Agricultura, Imprensa Nacional, 1984. 

 

Sá, C.F.C. 2010. Nyctaginaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB010903)

 

http://www.hortomedicinaldohu.ufsc.br/planta.php?id=250

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • b-facebook
  • Twitter Round
  • b-googleplus