Fedegoso

Nome Científico: Senna obtusifolia

Ordem: Fabales

Família: Fabaceae

Status Regulatório: Praga não regulamentada

Sinonímias: Cassia obtusifolia, Cassia tora, Cassia tora var. obtusifolia, Emelista tora, Senna tora.

Nomes Comuns: Fedegoso; fedegoso-branco; mata pasto; matapasto liso

Hospedeiros: Arachis hypogaea, Oryza sativa, Ipomoea batatas, Coffea arabica, Saccharum officinarum, Cocos nucifera, Phaseolus vulgaris, Helianthus annuus, Colocasia esculenta, Manihot esculenta, Zea mays, Capsicum annuum, Glycine max, Vigna unguiculata, Gossypium sp., Sorghum bicolor, Nicotiana tabacum, Fragaria ananassa, Hevea brasiliensis, Citrus sp., Musa textilis, Phaseolus lunatus, Musa sp., Corchorus sp..

Identificação:


O caule é bem verde, um pouco quadrático e muito ramificado. Possui folhas alternadas helicoidais, compostas penadas, estipuladas e com bainha e pulvino bem desenvolvidos na base da raque, a qual possui em média 3 pares de folíolos obovados, membranáceos, opostos e com peciólulos curtos. As inflorescências terminais são do tipo cacho, as flores ocorrem aos pares ou isoladas nas axilas foliares, são pedunculadas, o cálice possui 5 sépalas livres, 5 pétalas livres na corola, não uniformes e de cor amarela. O fruto é do tipo legume deiscente, tem formato cilíndrico e encurvado, com várias sementes verdes ou acastanhadas.

 

Bioecologia:


É uma planta subarbustiva que ocorre em áreas de lavouras anuais ou perenes, pastagens, terrenos baldios e ao redor de fragmentos de florestas. É hospedeira de diversas pragas, tais como Bemisia tabaci raça B, Alternaria alternata é ácaros do gênero Brevipalpus. A germinação de sementes ocorre em temperaturas que variam entre 18 e 36 °C e o crescimento de plântulas ocorre entre de 18-39 °C. Tolera bem variações de pH do solo e disponibilidade de nutrientes, sendo que, a concentração de fósforo e potássio no solo alteram o desenvolvimento. Em caso de potássio baixo no solo, ocorre o crescimento atrofiado. A propagação ocorre por meio de sementes, podendo ser espalhadas por animais e também por atividades humanas.

Sintomas:


Reduz a produção das culturas onde é encontrada devido a competição com as culturas. Em algodão ocorre a redução em média de 25% da produção. Prejudica pastagens e hospeda diversas pragas.

Controle:


Controle cultural: Arrancar todas as plantas daninhas do campo antes de florescerem e tomar medidas que diminuam o banco de sementes no solo. Controle químico: Uso de produtos autorizados pelo Ministério da Agricultura.

Referências:

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

CABI - http://www.cabi.org/isc/datasheet/49593 FMC-

https://www.fmcagricola.com.br/portal/manuais/infestantes_hf/files/assets/downloads/publication.pdf

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus