Japecanga (Smilax japicanga Griseb.)

Smilax brasiliensis Spreng
Smilax japicanga Griseb.
Herreria salsaparilha Mart.

Japecanga

Nome cientificoSmilax japicanga Griseb.

FAMÍLIA BOTÂNICA: Smilacaceae.

 

SINONÍMIA

Esporão-de-galo, inhapecanga, inhapicanga, japecanga, japecanga-verdadeira, japicanga, jupicanga, nhupicanga, raiz-da-china, salsa-americana, salsa-cerca-onça, salsa-de-espinho, salsa-do-campo, salsa-japecanga, sarsaparrilha, sarza, zarza.

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: JAPECANGA vem da língua tupi guarani e significa “Fruto do cipó de casca seca”. A planta também recebe os nomes de Pitanga amarela de cipó, Uva do mato de espinho e Salsaparrilha frutífera.

 

ORIGEM: nativa das bordas de matas e de capões de formação primarias das florestas semideciduais, e da floresta atlântica, estando presente também nas matas de galerias (de riachos) dos cerrados. Aparece desde o estado de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, Brasil. 

 

OBSERVAÇÕES: Essa espécie pode ser confundida com Smilax goyazana, mais pode ser diferenciada pela sua origem que só ocorre nos cerrados arenosos, enquanto Smilax japicanga só ocorre na floresta semidecidual. Outra diferença é os frutos que tem coloração preta quando madura em S. goyazana e alaranjada quando madura em S. japicanga. Uma outra espécie próxima é a Smilax quinquenervia que tem folhas alongadas e com 5 nervuras bem marcadas, e esta produz frutos grandes de até 2,5 cm de diâmetro. Recentemente descobrimos essa rara espécie, clique aqui para conhecer.

 

CARACTERISTICAS: Liana ou trepadeira, glabra (sem pelos) com caule não lenhoso de cor verde e brilhante com acúleos maiores na base (até 1 cm) e intercalados por outros menores. Os caules mais velhos próximo ao solo e os rizomas (raízes subterrâneas) tem uma casca protetora seca conforme o nome indígena diz. A planta solta cipós de 4 a 7 m de comprimento e ramos laterais que ficam emaranhados. As folhas são facilmente identificadas por se notar bainhas (uma lamina ou envoltório) esbranquiçada de 1 a 3 cm de comprimento, na base do pecíolo (haste ou suporte) de 3,5 a 7 cm de comprimento. A lamina foliar é papirácea (como papel), ovada (forma de ovo), com cor verde clara e facilmente identificada por se observar a base arredondada e ápice obtuso e margem geralmente ondulada. As flores são dióicas (As masculinas em uma planta e as femininas em outra planta), nascem fascículos umbeliformes (grupos em forma de pompom) com 10 a 70 flores; as masculinas com tépalas e estames (tubos masculinos) brancos de 2 a 4 mm de comprimento e as femininas com tépalas esverdeadas curvadas para baixo de 3 a 5 mm de comprimento com 3 estiletes laminares brancos de 2 a 3 mm de comprimento) sobre o ovário (órgão que se transforma e fruto). Os frutos são formados em cachos arredondados contendo 6 a 40 frutos de 8 a 1,5 cm de diâmetro com casca amarelo alaranjada e polpa da mesma cor de sabor acidulado envolvendo 2 a 4 sementes avermelhadas.

 

Dicas para cultivo: Trepadeira de crescimento rápido que resiste a temperaturas de até -4 grau, sendo também muito resistentes a secas. Vegeta bem em altitudes variando de 100 a 1.000 m acima do nível do mar. O solo deve ser profundo, de rápida drenagem, acido (pH 4,5 a 6,0), com constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho). Se plantar mudas feitas de sementes, é preciso plantas no mínimo 3 plantas, isso porque na faze de muda não dá para saber qual planta é fêmea ou macho; pois somente as plantas femininas produzem frutos. É preciso fazer uma parreira na horizontal com arames (ou caibros cruzados) formando uma malha da 40 cm entre arames para sustentar a planta. As plantas propagadas por rizomas colhidos de matrizes femininas iniciam a frutificação no 1ª ou 2ª ano após o plantio, que deve ser feito em qualquer época do ano.

 

Plantando: Deve ser plantada a pleno sol, num espaçamento entre plantas 4 x 4 m. A parreira deve ter 6 mourões, distanciados a 2 m entre si e 3 metros entre os pares, com altura de 1,60 para facilitar a colheita dos frutos. Adicione a cova 100g de calcário e 1 kg de cinzas e 6 pás de matéria orgânica bem curtida. Irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses se faltar água.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de limpeza de ramos mal formados; é importante conduzir as brotações subterrâneas até a parreira, se houver muitas brotações estas podem ser arrancadas no verão e usadas para fazer novas mudas. Manejar os ramos num tutor e continuar amarrando os ramos na parreira para não caírem até se fixarem. Depois de a planta ficar grande (após 4 ou 5 anos), deve-se fazer poda após a frutificação e eliminar o excesso de ramos formados. Adubar com composto orgânico, pode ser 2 pás de esterco bem curtido + 30 gr de N-P-K 10-10-10 nos meses de novembro e dezembro, distribuído-os a 30 cm do caule. Manter cobertura morta por volta do pé para manter a umidade.

 

Usos: Frutifica nos meses de Março a Junho. Os frutos são muito bonitos quando no cacho e podem ser consumido in natura apesar de terem pouca polpa.

 

– Nota: OS FRUTOS DE PLANTAS CULTIVADAS SÃO MELHORES EM SABOR E EM MAIOR QUANTIDADE DE POLPA. A planta pode ser cultivada como ornamental e em projetos de reflorestamento, pois fornece alimento no outono e inverno, atraindo inúmeras espécies de pássaros. As pessoas antigas da zona rural faziam ótimas geleias com os frutos segundo me foi relatado. A planta também é procuradas por suas inúmeras propriedades medicinais contidas em suas raízes

PARTES UTILIZADAS

Raízes compridas e flexíveis que crescem do rizoma.

 

FITOQUÍMICA

Glicídeos, esteróides, colina, saponosídeos, tanino, sais minerais, amido, resina acre, essência, sitosterol, estigmasterol. Ocasionalmente são encontrados flavonóides. Recentemente tem sido descrita a existência de derivados do ácido glutâmico, colina e acetilcolina. Em geral, as salsaparrilhas contém três saponinas: salsaponina, perilina e esmilasaponina, além disso féculas e uma essência.

 

PROPRIEDADES ETNOTERAPÊUTICAS

Expectorante, antileprosa, emoliente, depurativa do sangue, diurética, sudorífica, anti-reumática, febrífuga, antiartrítica (68), anti-sifilítica, estimulante digestivo e do metabolismo em geral e desintoxicante.

 

INDICAÇÕES

Utilizada para doenças de pele, eczema, úlceras, exantemas, gota, enfermidades venéreas , ácido úrico, nefrite, cistite, diarréia, flatulência, linfadenopatia, furúnculos, impotência e abcessos.

 

FORMAS DE USO

  • 15 a 20g/dia, em decocção.

 

 

TOXICOLOGIA

É irritante para as mucosas.

 

OUTRAS PROPRIEDADES

  • As raízes desidratadas apresentam um aroma agradável pouco pronunciado e sabor amargo e amargo.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus