Melissa (Melissa officinalis L.)

Melissa
 

Outros nomes: erva-cidreira, chá-da-frança, chá-de-tabuleiro, cidrilha, citronela, citronela-menor, erva-cidreira-européia, erva-luísa, cidreira-verdadeira, limonete, melitéia, melissa, melissa-romana, melissa-verdadeira, salva-do-brasil, celine, citronade, grama-cidreira, maliteira, salva-limão, zitronen melisse (alemão), melisa (espanhol), mélisse (francês), lemon balm (inglês), melissa selvatica (italiano), melissae citratae (latim), bee balm, sweet balm.
 

Nome Científico: Melissa officinalis L.

Família: Lamiaceae.
 

Nomes Botânicos: Melissa bicornis Klok.

 

Descrição botânica: planta herbácea de folhas verdes pequenas com as bordas arredondadas. As flores são raramente vistas, mas são brancas e sem expressão. A planta pode atingir a altura de 0,50 m, com forma arredonda meio irregular. As folhas desprendem forte odor de limão. 

Nome Farmacêutico: Folium Melissae.
 

Partes Usadas: partes aéreas 
 

Sabor: doce, adstringente, amarga e refrescante.
 

Constituintes Químicos: ácidos caféico, ácidos rosmarínico, ácido clorogênico, ácidos triterpênicos: ursólico e oleânico; óleo essencial (citral, citronelal, citronelol, pineno, limoneno, linalol e geraniol), glicosídeos flavônicos, resinas, sesquiterpenos (cariofileno e outros), succínico, tanino.
 

Propriedades Medicinais: antiespasmódico; calmante suave; carminativo; antinevrálgico; emenagogo; sudorífico; estomáquico; colerético; adstringente; analgésico; antialérgico; antidispéptico; antimicrobiano; anti-séptico; antiviral em diarréias (extrato cru); cicatrizante; cordial; digestivo; diurético; estimulante; hipotensora; relaxante; sedativo; tônico; anti-hemorrágico; vermífugo; antigripal; antitussivo; relaxante; hipotensor.
 

Indicações (Uso Interno): afecções gástricas; ansiedade; arrotos; artralgias; cãibras intestinais; catarros crônicos; caxumba; cefalalgia; celulite, ativa circulação; crises nervosas; debilidade geral; depressão; desmaio; diarréia sanguinolenta; dores nos olhos; enjôo; entupimento das mamas; preveni enxaquecas; acalma sintomas de epilepsia; erupções; fadiga; melancolia; nervosismo; nevralgia facial e dentária; odontalgias; pericardite; problemas hepáticos e biliares; resfriado; tenesmo; tosse; vertigem; insônia; icterícia; paralisia; inapetência; utilizada em banhos para revigorar; histerismo; hipocondria; hipertireoidismo; reduz febre; auxilia no trabalho de parto; infertilidade; elimina parasitas intestinais; reduz tumores; melhora a visão; pára hemorragias; síndrome do cólon irritável, utilizada no tratamento do Mal de Alzheimer; Síndrome Déficit de Atenção; hiperatividade; boa para o coração; circulação sanguínea; fortificante dos nervos e do cérebro; fortalece o útero; beneficia o sistema reprodutivo feminino; irregularidade menstrual; neuralgia intercostal; distúrbios do sistema nervoso autônomo; palpitações; nevralgias; convulsões; espasmos musculares; psicose maníaco-depressiva; para suavizar a psique; tosse com muco; constipação; hipocondria; atonia estomacal; vertigens; visão fraca; excitante gástrico; vômito na gravidez; cefalalgia; obscurações passageiras; ruído nos ouvidos; vertigem por trabalho individual; afecções cardíacas.
 

Indicações (Uso Externo): picada de inseto (O.E); herpes labial; alivia contusões e edemas; mau hálito; chagas; feridas; estimulante cutâneo.
 

Indicações Pediátricas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Utilizações na MTC: para subida do yang do Fígado; vazio do yin do Coração; estagnação do Qi do Rim; estagnação do Qi do Estômago; estagnação do Qi do Útero; fogo do Coração; vento-calor externo; vazio do Jing do Rim; vazio do Baço/Pâncreas; vazio do sangue do Coração.
 

Elemento predominante na MTC: Madeira.
 

Atuação nos Canais: F, C, P, R, TA, B, PC, VC e VG.
 

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Kapha e Pitta e agrava Vata em excesso.
 

Rasa: picante e doce.
 

Virya: fria.
 

Vipaka: doce.
 

Contra-indicações: pessoas com hipersensibilidade aos componentes da planta; pessoas com hipotensão e para gestantes com sensibilidade aos componentes devem evitar o uso. Pode causar diminuição da pulsação e entorpecimento.
 

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Toxicidade: o óleo essencial é considerado moderadamente tóxico.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus