Orégano (Origanum vulgare L.)

 Orégano
 

Outros nomes: manjerona-rasteira, manjerona-silvestre, orégão, orégão-vulgar, manjerona-brava, manjerona-selvagem, orégano, orégano menor, orégano común, orégano de Espana e mejorana silvestre (espanhol), orégano, wild marjoram e mountain mint (inglês), origano [commun) e marjolaine sauvage (francês).
 

Nome Científico: Origanum vulgare L.

Família: Lamiaceae.
 

Nomes Botânicos: Micromeria formosana C. Marquand, Origanum creticum Lour., Origanum dilatatum Klok., Origanum normale D. Don, Origanum puberulum (G. Beck) Klok.
 

Descrição botânica: é um arbusto perene, com até 60 cm, muito confundido com a manjerona. É planta heliófita. Planta herbácea, semi-prostrada. Caule formando touceiras. Folhas simples e pequenas. Flores esbranquiçadas, róseas ou violáceas, dispostas em glomérulos e reunidos em inflorescências paniculadas terminais.
 

Partes Usadas: folhas e sumidades floridas.
 

Sabor: picante, amargo e quente.
 

Constituintes Químicos: Sabineno (3,13 a 9,55%), cis-β-ocimeno (0,17 a 9,07%), p-cimeno (0,52 a 29,76%), cariofileno (15,25 a 28,24%), timol (0,27 a17,35%), carvacrol, terpineol, flavonoides, ácido ursólico.
 

Propriedades Medicinais: anticaspa, antisséptico, diurético, emenagogo, esternutatório, expectorante, sedativo, estomáquico, nervino, béquico, antitússico, sudorífico, carminativo, aperitivo, diaforético, excitante, vulnerário, antiespasmódico, parasiticida, tônico, antirreumático, emoliente (flores), aromática, condimentar, colerético, analgésico, cicatrizante, desodorante (banhos), antioxidante.
 

Indicações (Uso Interno): tônico circulatório, estimulante gástrico e biliar, cólicas, espasmo da musculatura lisa, acalma dores estomacais, facilita a digestão após ingerir alimentos pesados, elimina gases, elimina catarro, para bronquite (banhos e inalação), dores de cabeça de origem nervosa, gripes, resfriados, febres, baixar a menstruação, alivio do desconforto das cólicas menstruais, dispepsias, meteorismo, inapetência, asma, enfisema, tosse convulsiva, sarampo, alivio da fadiga, amenorreia, irritação da garganta, laringite, tosse seca, aerofagia, epilepsia, nevralgia, traqueíte, giardíase.
 

Indicações (Uso Externo): inflamações e dores reumáticas (compressas), gengivite, dor de dente (bochechos), hematomas, torções, otite, feridas, micoses, rouquidão (gargarejos), dores musculares, torcicolos e lumbago (cataplasmas e fricções).
 

Indicações Pediátricas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Utilizações na MTC: faz circular o qi (energia vital) do pulmão e abre o peito. Utilizado em casos de umidade ou mucosidade do pulmão, vento frio do pulmão, Umidade e mucosidade do baço pâncreas e frio no útero. 
 

Elemento predominante na MTC: Madeira.
 

Atuação nos Canais: Pulmão, Fígado e Baço/Pâncreas, Rins, Bexiga e Vesícula Biliar.
 

Ayurveda (Ação nos doshas): nome ayurvédico – Jangali Maruaa. Reduz Kapha e Vata e agrava Pitta.
 

Rasa: picante.
 

Virya: quente.
 

Vipaka: picante.
 

Contra-indicações: em doses elevados o óleo essencial tem efeito estupefaciente. Deve ser evitado uso medicinal durante a gravidez e na amamentação. 
 

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Habitat: difundido por toda a Europa, em terrenos de altitude média, soalheiros, secos e pedregosos. É uma espécie alóctone, originária da Ásia e Europa Ocidental, onde cresce espontaneamente em colinas expostas. Encontrada também no norte e oeste da Ásia, muito comum nas Ilhas Britânicas e foi introduzida na América do Norte e Nova Zelândia. 
 

Toxicidade: faz parte da fórmula de um produto vendido sem receita chamado Carachipita e que pode provocar aborto e falência múltipla de órgãos em gestantes. Deve-se evitar o produto na gestação e buscar mais informações a respeito da segurança de seu emprego medicinal.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus