Pata de vaca - (Bauhinia candicans Benth.)

Bauhinia candicans
Bauhinia cheilantha
Título 6
Bauhinia forficata
Bauhinia ungulata

Pata de Vaca

Nome Popular: Pata de Vaca
 

Outros nomes: árvore orquídea, bauínia, capa-bode, casco-de-vaca, casco-de-burro, ceroula de homem, miriró, mirorá, miroró, mororó, mororó-de-espinho, pata-de-boi, pata-de-burro, pata-de-vaca-branca, pata-de-veado, pé-de-boi, unha-de-anta, unha-de-boi, unha-de-boi-de-espinho, unha-de-vaca e unha-de-veado; brazilian orchid-tree, mountain ebony, camel’s foottree, pink bauhinia, butterflytree, geramium tree, (inglês); pezuña de vaca, pesña de vaca, cauba (espanhol).
 

Nome Científico: Bauhinia candicans
 

Família: Fabaceae.
 

Nomes Botânicos: Bauhinia candicans Benth., Bauhinia brasiliensis Vogel
 

Nome Farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Partes Usadas: cascas, folhas, flores, lenho, raízes.
 

Sabor: amarga, adstringente e doce.
 

Constituintes Químicos: ácidos orgânicos (tartárico), alcalóides, cumarinas, esteróis, flavonóides (campferol, rutina e quercitina), guanidina, glicoproteína, glicosídeo, goma, heterosídeos cianogênicos e saponínicos, hidrato de carbono, holosídeo, minerais, mucilagens, pigmentos, pinitol, proteínas, quercetol, rammose, sais minerais, taninos (flobatênicos e pirogálicos), triterpenos.
 

Propriedades Medicinais: antidiarréico; depurativo; diurético; hipocolesterolemiante; hipoglicêmico; antidiabético; laxante; purgativo (flores); tônica renal; vermífugo; calmante; resolutivo; alterativo; expectorante; antiespasmódico; uterino; adstringente; hemostático; emético; antiinflamatório; antioxidante; cicatrizante; antialérgico.
 

Indicações (Uso Interno): afecções renais e urinárias; catarro; colesterol; constipação intestinal; diarréias; diabete mellitus II (para o pâncreas produzir mais insulina); elefantíase; gripe; impede o aparecimento de açúcar na urina; insuficiência urinária; males do estômago; moléstias da pele; mordidas de cobra; parasitoses intestinais; regularizar a glicemia sangüínea; reduzir a excreção de urina; poliúria; edema linfático; lepra (folhas e casca); gânglios fistulados; filariose; obesidade; congestão e acúmulos na cavidade pélvica; fibrose; endometriose; cistite; menorragia; leucorréia; câncer; linfadenite; disenteria; reverte prolapsos; hemorróidas; osteoporose; cálculos na bexiga (folhas e casca); doenças venéreas (folhas e casca); asma (folhas e casca); gota; corrimento vaginal; alergias cutânea.
 

Indicações (Uso Externo): caspa; úlceras cutâneas; inchaços; prurido; inflamações da pele em geral; queimaduras (utilizar a raiz fervida com óleo); eczemas; alergias; dermatites.
 

Indicações Pediátricas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Utilizações na MTC: nome chinês- Jiu Hua Teng. Tonifica o Yin e o Qi.
 

Elemento predominante na MTC: Madeira. 
 

Atuação nos Canais: BP, F, VC.
 

Ayurveda (Ação nos doshas): nome ayurvédico - Kanchanara. Reduz Pitta e Kapha e agrava Vata. Atua nos tecidos sanguíneo, muscular, adiposo, ósseo e reprodutivo. Tem ação no Srota reprodutivo da mulher. Alivia adenite cervical, inchaços e caroços nas glândulas; desordens da pele; úlceras; desordens menstruais e elimina vermes. Erva seca e leve que ajuda a reduzir Kapha. Trata desordens de Pitta agravado (Rakta Pitta) como sangramentos. Reduz Avalambaka Kapha dos pulmões. Pode ser combinada com Mirra e Cúrcuma (Açafrão da Terra) para tratar problemas ginecológicos. Com Guggulu, punarnava, triphala e trikatu para inchaços das glândulas linfáticas. Com Bibhitaki e Kutki para diarréia e inflamações. Com Manjishtha para desordens hemorrágicas. Com Punarnava, manjishtha e neem para desordens cutâneas. Guggulu, bakuchi, ashwagandha, gengibre e olíbano para osteoporose. Tem ação no sistema endócrino, imunológico, circulatório, digestivo e reprodutivo.
 

Rasa: amarga e adstringente.
 

Virya: fria.
 

Vipaka: picante.

 

Atuação nos Doshas: Vatta: aumenta.

                                         Pitta: reduz.

                                         Kapha: reduz
 

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Floral: FLORAIS DAS GERAIS - carência afetiva prolongada que traz a exaustão; debilidades orgânicas; anorexia nervosa. FLORAIS DE MINAS – Fortificata- carência afetiva prolongada; esforço unilateral; exaustão mental e orgânica.
 

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Contra-indicações: na gestação e lactação. Em pessoas com hipoglicemia e constipação. Uso em excesso causa vômitos. Contra-indicada em pessoas com distúrbios de coagulação sanguínea. Pode aumentar o número de evacuações e produzir diarréia pastosa.
 

Interações medicamentosas: pode potencializar drogas antidiabéticas.
 

Planeta regente: utilizada em distúrbios associados ao trânsito de Júpiter em Virgem, Urano em Sagitário, Netuno em Virgem, Netuno em Peixes, Plutão em Virgem. Regente: Júpiter.
 

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Habitat: espécie autóctone que ocorre espontaneamente na floresta pluvial Atlântica e subespontaneamente em pastagens, vales aluviais, capoeiras, à beira de estradas e em terrenos baldios. Cresce subespontaneamente no sul do Brasil.
 

Informações clínicas e/ou científicas: experimentos com animais demonstraram ação antitireóica.
 

Descrição botânica: planta arbustiva, decídua, grande ou arbórea, perene, que atinge até 8m de altura. Tem ramos frágeis, pendulares, glabros ou pubescente, com acúleos gêmeos na axila foliar. Folhas alternas, medindo 8 a 9 cm de comprimento, ovais ou lanceoladas, divididas acima do meio, glabras, compostas de dois folíolos unidos pela base, pouco divergentes, obtusas ou um pouco agudas, ou acuminadas na base, arredondadas ou subcordiformes, membranáceas, com a forma típica de 9 nervos. Acúleos quase sempre gêmeos, ora uniformemente retos, ora ligeiramente curvos para dentro, finos, ou grossos. Flores axilares ou terminais, brancas. Fruto tipo legume, linear, medindo 15 a 25 cm de comprimento por 2 cm de largura. A planta é caducifólia no inverno, rebrotando a partir de outubro.
 

Toxicidade: não há relatos de toxicidade nas doses recomendadas.

Referências Bibliográficas

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus