Quina-Branca (Strychnos pseudoquina A.St.-Hil)

Quina Branca

Nome cientifico: Strychnos pseudoquina A. St.-Hil.

Familia: Angiospermae - Loganiaceae

Nome Popular: quina-branca, squina-do-campo, quineiro, quina, quina do cerrado, quina grossa, falsa-quina, quina-cruzeiro, quina-da- chapada.

Parte Usadas: Frutos e casca

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: GUARAROBA vem do tupi guarani e significa “fruta com gosto amargo”. Também recebe o nome de Quina do campo, Quina amarga, Quina grossa, Cereja de tucano ou Cereja de Periquito.

 

ORIGEM: Nativa dos campos e cerrados ou cerradões de solos arenosos e profundos, estando presente nos estados de: Tocantins, Maranhão, Goias, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Norte e Mato Grosso do Sul.

CARACTERISTICAS: Arbusto ou arvore de 3 a 8 m de altura com copa alongada e densa de pequena largura e tronco sinuoso e cilíndrico, atingindo 10 a 40 cm de diâmetro com casca partida em retângulos verticais, de textura grossa e suberosa com desprendimento ocasional. As folhas são opostas, simples, coriáceas (rijas como couro), glabras (sem pelos) na face superior e brilhantes e lanuginosas (cobertas de pelinhos esbranquiçados) na face inferior. A lamina é oval, com base cuneada (forma de cunha) ou aguda e ápice agudo ou arredondado, medindo 5 a 11 cm de comprimento por 3 a 6 de largura. A espécie pode ser facilmente identificada por se observar 3 nervuras centrais salientes em ambas as faces. As flores nascem nas axilas das folhas em cimeiras tirsoides (cacho em forma de T) com cerca de 20 a 80 flores hermafroditas. As flores são subsésseis (com pedicelo ou cabinho curto), medem 8 mm de altura, são hipocrateriformes (forma cônica) com pétalas formadas esbranquiçadas de 5 lobos ou recortes contendo 5 estames (tubos masculinos) exsertos (soldados) entre as pétalas. O fruto é uma baga arredondada de 2 a 3 cm de comprimento de casca espessa e amarelada quando madura e polpa alaranjada, gelatinosa doce e com final amargo, envolvendo 1 a 4 sementes discóides e planas.

 

Dicas para cultivo: Planta de crescimento muito lento nos primeiros 3 anos, mais é resiste secas e a geadas de até 0 a -1 grau. Vegeta bem em altitudes variando de 500 a 950 m acima do nível do mar. O solo deve ser profundo, de textura arenosa, pH acido (4,5 a 5,5), e com rápida drenagem das águas da chuva. É preciso plantas no mínimo 2 plantas para uma melhor frutificação. Essa espécie não gosta de muita matéria orgânica e não suporta terrenos encharcados. As plantas iniciam a frutificação no 5ª ou 7ª ano após o plantio, dependendo das condições do clima e tratos culturais.

 

Mudas: As sementes são discóides e chatas e ortodoxas (com casca dura e que conservam o poder germinativo por longo tempo). A germinação ocorre em 65 a 90 dias em substrato feito de 45% de areia saibro (vermelha) + 30% de terra vermelha e 25 % de matéria orgânica bem curtida. Convém semear 1 ou 2 semente diretamente em embalagem individual, pois essa espécie não tolera transplante ou repicagem. As embalagens semeadas devem ficar em pleno sol e devem receber irrigação dia sim, dia não. As mudas crescem lentamente, sendo necessário 15 meses para atingirem 30 cm de altura.

 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol, bem como na sombra bosques com arvores grandes bem espaçadas, nesta situação demora mais para frutificar. Espaçamento entre plantas 5 x 5 m. As covas devem ter 50 cm de altura, largura e profundidade; e nos 30 cm de terra iniciais, se deve misturar 3 pás de areia saibro vermelha, 1 kg de cinzas e 4 a 5 pás de matéria orgânica bem curtida, deixando curtir por 2 meses antes do plantio. É melhor plantar nos meses de outubro a dezembro, fazendo irrigação de 10 l de água a cada 15 dias, nos primeiros 6 meses se faltar chuva.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação a partir do 4 ano após o plantio e eliminar os brotos que nascerem na base do caule. Adubar com composto orgânico, pode ser 3 pás de composto orgânico feito de folhas apodrecidas + 30 gr de N-P-K 10-10-10 nos meses de novembro e dezembro, distribuído-os a 30 cm do caule. Os componentes de adubação devem ser dobrados na quantidade a cada 2 anos.

 

Usos: Frutifica nos meses setembro a novembro. Os frutos podem ser consumidos in-natura e a polpa é espessa envolvendo as sementes. A casca da arvore é muito procurada pela medicina popular e considerada Tonica e febrífuga, sendo usada  para moléstias do fígado, baço e estomago. Os frutos atraem o tucano e o periquito e por isso recebe os nomes acima. É importante cultivá-la pois a espécie está se tornando cada vez mais rara na natureza.  

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus