Cinco Elementos

Os cinco elementos possuem todos uma característica independente, no entanto estão todos relacionados uns com os outros. Macioccia (2001), cita que os cinco elementos têm seis ciclos: ciclo estacional (primavera, verão, outono, inverno e o “verão tardio”), ciclo cosmológico (os elementos são numerados consoante a sua numerologia (1 - Água; 2 - Fogo; 3 - Madeira; 4 - Metal; 5 - Terra; se somar a cada um, 5 valores, obtêm-se 6 - Água; 7 - Fogo; 8 - Madeira; 9- Metal; 10 – Água). O ciclo de geração  na qual está representado um elemento a gerar outro e assim sucessivamente. A Terra gera o Metal, o Metal gera a Água, a Água gera a Madeira, a Madeira gera o Fogo e voltando novamente ao inicio do ciclo na qual o Fogo gera a Terra. O ciclo de controlo no qual  um elemento vai ter controlo sobre o outro. A Madeira controla Terra, a Terra controla a Água, a Água controla o Fogo, o Fogo controla o Metal, o Metal controla a Madeira. Existe ainda o ciclo de exploração, o elemento encontra-se em excesso sobre o outro, opondo-se. Assim, a Água vai-se opor ao Fogo, o Fogo ao Metal, o Metal opõe-se à Madeira, a Madeira à Terra e a Terra à Água (Maciocia, 2001; Tierra, 1998; Liu, 2010).
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Caso os equilíbrios quebrem, vai existir o ciclo da oposição a Terra vai-se opor à Madeira, a Madeira vai-se opor ao Metal, o Metal vai-se opor ao Fogo, o Fogo vai-se opor à Água e por fim a Água vai-se opor à Terra. Este ciclo só acontece quando existe um desequilíbrio e só é reposto quando volta novamente o equilíbrio a manter-se (Maciocia, 2001; Tierra, 1998; Liu, 2010).


O Coração (Fogo) é o órgão mais importante quer do corpo humano quer da MTC, é este que produz o sangue e controla a sua circulação. Este gere o Baço (Terra) que tem como função transportar e transformar. Encontra-se na parte superior do corpo ou na parte superior da Jiao em conjunto com o Pulmão (Metal). Na MTC, a Jiao é a divisão do corpo em três partes, a parte superior da Jiao que engloba o Diafragma o Coração e os Pulmões; a Jiao média que vai estar contemplada toda a parte desde o Diafragma até ao Umbigo; e a parte inferior ou baixa da Jiao é do Umbigo até ao Útero, englobando o Fígado, os Rins, o Intestino e a Bexiga (Chia, 1989; Maciocia, 2001; Yuan, et al., 2011; Tierra, 1998; Ping, 2002; Clinic, 2013).


O Coração tem a função de controlar o Pulmão e a circulação sanguínea transportando os nutrientes necessários às células, e também de aquecer o corpo. Os dois órgãos vão estar em sintonia ajudando-se mutuamente. O Coração gere a circulação sanguínea, o Pulmão gere a respiração e o oxigênio para nutrir as células. No entanto, quando existe um desequilíbrio no Coração (Deficiência de Yang de Coração / Deficiência de Yin de Coração), vai ocorrer um desequilíbrio no ciclo dos órgãos. Assim, o Coração vai colocar o Pulmão em esforço, podendo secar os fluídos e sendo este de natureza fria vai provocar a acumulação de mucosidades (Chia, 1989; Maciocia, 2001; Yuan, et al., 2011; Tierra, 1998; Ping, 2002; Clinic, 2013).


O Pulmão (Metal) vai ser controlado pelo Coração, contudo é “mãe” dos Rins (Água). Controla a dispersão e o metabolismo da Água. Como é um dos órgãos que se encontra mais alto (parte superior da Jiao) o seu Qi, vai comunicar com o Qi do Rim, obrigando a Água que se encontra na parte superior a descer ate aos Rins e Bexiga. O Rim é o criador do Fígado (Madeira) (Chia, 1989; Maciocia, 2001; Yuan, et al., 2011; Tierra, 1998; Ping, 2002; Clinic, 2013).


O Coração é a “mãe” do Baço, vai transportar o Qi do Coração diretamente para o Baço para ajudar na transformação e transporte de nutrientes. O Baço (Terra) controla o Rim (Água). Quer um quer outro têm a capacidade de transformar líquidos orgânicos, pois o Rim vai ter a capacidade de filtrar, transformar e excretar os líquidos, enquanto que o Baço com a ajuda da energia dos Pulmões tem a capacidade de transformar e transportar os líquidos. No caso de haver algum desequilíbrio o Baço vai-se opor ao Fígado quando está sujeito à umidade proveniente dos Pulmões, pois o Baço gere o Pulmão. Com ajuda do Qi do Baço proveniente dos nutrientes e o Qi do Pulmão oriundo do ar, vai gerar Qi/ energia para o corpo (Chia, 1989; Maciocia, 2001; Yuan, et al., 2011; Tierra, 1998; Ping, 2002; Clinic, 2013).


O Pulmão (Metal) controla o Fígado (Madeira). O Pulmão faz com que haja uma normal digestão e absorção dos nutrientes por parte do Fígado. O Fígado é responsável pelo normal fluxo do ar, por regular o normal funcionamento da circulação sanguínea de acordo com o seu desgaste psíquico ou emocional. É o Fígado o órgão que indica que algo está errado ou em desequilíbrio por parte da “dor”. Quando isto acontece, o Fígado vai-se opor ao Pulmão, estagnando a parte superior do corpo humano, obstruindo o peito e a sua respiração (Chia, 1989; Maciocia, 2001; Yuan, et al., 2011; Tierra, 1998; Ping, 2002; Clinic, 2013).


O Fígado é responsável pelo controlo do Estômago (Yin Terra) e pelo Baço (Yang Terra). Tem a capacidade de regular o Qi, de ajudar o Estômago na digestão dos alimentos ajudando na sua decomposição e maturação, e no Baço ajuda a transformar e a transportar os alimentos. Caso ocorra um desequilíbrio no Estômago ou no Baço é provocado pelo Fígado dando origem a uma sensação de fome. Contudo o Fígado vai produzir no Coração (Fogo), vai reservar o sangue e alimentar-se do sangue do Coração. Fato é que se o sangue do Fígado for fraco, o Coração vai ressentir-se. Sendo o Rim que gere o Fígado, vai armazenar a essência do sangue e tem a função de nutrir o sangue como regulação do metabolismo da Água. O Rim vai ter controlo sobre o Coração (Fogo), contudo estes têm que obter uma boa interação em conjunto para obter uma boa saúde (Chia, 1989; Maciocia, 2001; Yuan, et al., 2011; Tierra, 1998; Ping, 2002; Clinic, 2013).

Referências Bibliográficas

 

Oliveira, A. S. M., Fitoterapia Chinesa, Porto; 2016

 
Beijing, S. (1980). Essentials of Chinese Acunpuncture. Beijing, Beijing Foreign Languages Press.


Chia, M., (1989). Fusion of the Five Elements. Tailândia, Universal Tao Publications.


Clinic, T., (2013). Medicina tradicional china: el triple calentador. [Em Linha] Disponivel em: <http://www.tcmclinic.es/medicina-tradicional-china/medicina-tradicional-china-el-triple-calentador/> [Consultado em 03/03/2016].


Copasso, F. et al. (2003). Phytotherapy - A Quick Reference to Herbal Medicine. Berlin, Springer - Verlag.


Eckman, P., (2002). The theory of Oriental Medicine. Em: C. M. Cassidy e M. Micozzi, (Eds.). Contemporary Chinese Medicine and Acunpuncture. Filadelfia, Churchill Livingstone, pp. 12-41.


Guoan Luo, Y. W., Liang, Q. e Liu, Q., (2012). Systems Biology for traditional Chinese Medicine. Nova Jersia, John Wiley e Sons, Inc.


Heinrich, M., et al. (2012). Fundamentals of pharmacognosy and phytotherapy. 2ª ed. China, Churchill Livingstone Elsevier.


Hempen, C. H. e Fischer, T., (2007). A Materia Medica for Chinese Medicine - Plants, minerals and animal products. 2ªed. Londres, Churchill Livingstone Elsevier.


Herne, R., (2001). Magick, Shamanism & Taoism - The I Ching in ritual & Meditation. St Paul, Minnesota, Llewellyn Publications.

Hopwood, V., (2004). Acupuncture in Physiotherapy- Key Concepts and Evidence-Based Practice. Londres, Butterworth Heinemann - Elsiver.


Hui, Y., (2001). Approaching Traditional Chinese Medicine: Inheritance and Exploration. Em: Y. Lin, (Eds.). Drug Discovery and Traditional Chinese Medicine ( Science, Regulation and Globalization). Nova York, Springer Science + Business Media, LLC, pp. 1-12.


Jin, G.-Y., Jin, J.-J. X. e Jin, L. L., (2007). Contemporary Medical Acupuncture - A Systems Approach. China, Higher Education Press- Springer.


Jr, J. D. A. e Lien, E. J., (2013). Traditional Chinese Medicine. Cambridge, The Royal Society of Chemistry - RSC Publishing.


Kaptchuk, T. J., (2000). Chinese Medicine - The web that has no weaver. 1ª ed. Londres, Sydney, Rider.
Keji, C. e Hao, X., (2003). The integration of traditional Chinese medicine and Western medicine. European Review, 11(2), pp. 225-235.


Ko, K. M., Mak, D. H., Chiu, P-Y. e Poon, M. K., (2004). Pharmacological basis of ‘Yang-invigoration’ in Chinese medicine. Trends in Pharmacological Sciences, Volume 25, pp. 3-6.


Ko, K. M. e Leung, H. Y., (2007). Enhancement of ATP generation capacity, antioxidant activity and immunomodulatory activities by Chinese Yang and Yin tonifying herbs. Chinese Medicine, 2(1), pp1-10.


Law, K. M. Y. e Kesti, M., (2014). Yin Yango and Organizational Performance - Five Elements for Improvement and Sucess. 1ªed. Londres Springer - Verlag .


Legge, D., (2014). Yin and Yang Surfaces: An Evolutionary Perspective, Journal of Acupuncture anda Meridian Studies, 7(6) pp. 281-290.


Leung, P-C. e Xue, C. C-l., (2005). Chinese Medicine - Modern Pracitce. Singapura, World Scientific Publishing Co.Pte, Ltd..


Liu, Z. e Liu, L., (2010). Essentials of Chinese Medicine - Vol.2. Londres, Springer - Verlag.


Liu, Z. e Lui, L., (2010). Essentials of Chinese Medicine - Vol I. Londres, Springer- Verlag.


Lotus, S., (2001). Sacred Lotus - Chinese Medicine. [Em linha] Disponivel em: <https://www.sacredlotus.com/go/chinese-herbs> [Consultado em 07/04/2016].


Lui, C., Tseng, A. e Yang, S., (2005). Chinese Herbal Medicine - Modern Apllications of traditional formulas. Nova York, CRC Press LLC.


Maciocia, G., (2001). Los Fundamentos de la Medicina China. Cascais, Aneid Press.


Mollier, C., (2008). Buddism and Taoism, face to face - Scripture, Ritual and Iconographic exchange in Medieval China. Honolulu, University of Hawai'i Press.


Ping, L., (2002). El gran libro de la Medicina China. 2ª ed. Barcelona, Ediciones Martinez Roca, S. A..


Ross, J., (2003). Combining Western Herbs and Chinese Medicine. Nova York, Greenfields Press.


Stern, F. L., (2014). Reflexões sobre o uso da Nomenclatura "Medicina Tradicional" pela Naturologia. Cadernos de naturologia e terapias complementares, 3(4), pp. 53-63.


Stux, G. e Pomeranz, B., (1998). Basics of Acupuncture. 4ª ed. Canada, Springer-Verlag.


Thambirajah, R., (2009). Cosmetic Acupuncture. A Traditional Chinese Medicine Approach to Cosmetic and Dermatological Problems. Filadélfia, Churchill Livingstone - Elsevier.


Tierra, M. e Tierra, L., (1998). Chinese Traditional Herbal Medicine - Materia Medica and Herbal Resource - Vol.1. USA, Library of Congress.


Tierra, M. e Tierra, L., (1998). Chinese Tradicional Medicine - Materia Medica and Herbal Resource Vol.2. Inglaterra, Lotus Press.


Wang, R. R., (2006). Internet Encyclopedia of Phylosophy - YinYang. [Em linha] Disponivel em: <http://www.iep.utm.edu/yinyang/> [Consultado em 03/03/2016].


Wang, T., (2002). Chinese Herbal Medicine. Em: C. M. Cassidy e M. Micozzi, (Eds.). Contemporary Chinese Medicine. Filadelfia, Churchill Livinstone, pp. 84-103.


Weber, M., (1951). The Religion of China - Confucianism and Taoism. Illinois, The Free Press.


Wu, J.-N., (2005). An Illustrated Chinese Materia Medica. Nova York, Oxford University Press.


Yao, W., Yang, H. e Ding, G., (2013). Mechanisms of Qi - blood circulation and Qi deficiency syndrome in view of blood and intersititial fluid circulation. Journal of Traditional Chinese Medicine, 33(4), pp. 538-544.


Yuan, C-s., Bieber, E. J. e Bauer, B. A., (2011). Traditional Chinse Medicine. Florida, CRC Press - Taylor & Francis Group .
Yu, C. S. e Fei, L., (1993). A Clinical Guide to Chinese Herbs and Formulae. Edinburgo, Churchill Livingtone.


Yuen, J. e Gohel, M., (2008). The dual roles of Ganoderma antioxidants on urothelial cell DNA under carcinogenic attack. Journal of Ethnopharmacology, 118(2), pp. 324-330.


Zhang, G., (2002). Acupunctur and Moxibustion. Em: C. M. Cassidy e M. Micozzi, (Eds.). Contemporary Chinese Medicine and Acupucture. Filadelfia, Churchill Livingstone, pp. 60-83.


Zhang, Y. et al., (2014). Age-related changes in prevalence and symptom characteristics in kidney deficiency syndrome with varied health status: a cross - sectional observational study. Journal of traditional Chinese medical sciences, 1(1), pp. 20-27.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus