Falso Boldo (Plecthantus barbathus Andrews)

Falso Boldo

Família: Lamiaceae (Labiatae)


Nome Científico: Plecthantus barbathus Andrews; Plecthantus ornatus Codd; Plecthantus grandis (Cremer) R. H. Wellenze


Sinonímia Vulgar: Boldo, tapete-de-oxalá, falso-boldo, boldo-brasileiro, boldo-nacional, sete-dores. Boldinho, boldo-gigante,


Sinonímia Científica: Coleus barbathus Andrews Benth.; Coleus forskohlii (Willd.)

Descrição:  Planta herbácea ou subarbustiva, aromática, perene, ereta, pouco ramificada. Folhas opostas, ovais, simples, de bordos crenados, muito pilosas, aveludadas medindo de 5 a 8 cm de comprimento, suculentas. Flores roxas dispostas em espigas de cima triflora, originária da Índia e cultivada em todo Brasil. Existem duas espécies muito semelhantes: o Pl. grandis (Cramer) R. H. Wellensze tem flores azuis, atingindo mais de 2 m de altura e florescendo em épocas diferentes do Pl. barbatus; e Pl. ornatus Codd., conhecido erroneamente como boldo-do-Chile, ou boldo-gambá. Entrou no Brasil há pouco tempo, como ornamental. Sua diferença com o boldo-sete-dores está no tipo de folha que é rombóidea, sendo erva de menor porte que as demais, tanto que é conhecida também como boldo-mirim.


Parte Usada: Folhas Forma Farmacêutica Folhas maceradas em água ou infuso.


Emprego:  Popularmente as folhas maceradas em água por 30 minutos e à temperatura ambiente são usadas como colagogo nas dores de cabeça e mal-estar, após ingestão de bebidas alcoólicas e nos problemas estomacais e digestivos; é usada também na hipotensão arterial.


Constituição Química:  Barbatusol, barbatol, barbatusina, cariocal, ciclobutatusina, colenol, coleol, coliona, óleo essencial (rico em guaieno e fenchona), ferruginol, forskolina. As folhas frescas contêm 0,1% de óleo essencial e folhas secas ao ar, 0,3%.


Toxicidade: A utilização do boldo em dosagens elevadas, ou por períodos longos, pode provocar irritação gástrica e efeito cardioativo. Para pessoas com sensibilidade ao boldo ou a seus componentes é contraindicado. Em caso de obstrução das vias biliares ou doenças severas do fígado. Pacientes com úlcera e gastrite.


Observação: Essas 3 espécies têm as mesmas indicações e seus desenhos serão numerados  mas as características são do boldo.

FÓRMULA


Componentes Quantidade


folhas secas 1 – 3 g
água q.s.p. 150 mL


ORIENTAÇÕES PARA O PREPARO


Preparar por infusão considerando a proporção indicada na fórmula.


ADVERTÊNCIAS


Não deve ser utilizado por gestantes, lactantes, crianças, hipertensos e portadores de obstrução das vias biliares. Não usar no caso de tratamento com metronidazol ou dissulfiram, medicamentos depressores do SNC e anti-hipertensivos. Doses acima das recomendadas e utilizadas por um período de maior do que os recomendados podem causar irritação gástrica.


MODO DE USAR


Uso interno.


A cima de 12 anos: tomar 150 mL do infuso, logo após o preparo, duas a três vezes ao dia.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus