Faramacopeia Chinesa

A Farmacopeia Chinesa é a ciência que estuda as propriedades, a composição, as ações das substâncias de origem animal, vegetal, mineral ou químicas (naturais), para ajudar a restabelecer o equilíbrio do corpo humano. Esta farmacopeia vai ao encontro das plantas medicinais que podem ser administradas sozinhas ou em fórmulas fitoterápicas para combater doenças de acordo com o desequilíbrio energético do corpo (Vazios de Energia ou Excessos de Energia). Assim, essas plantas são classificadas.


1. Sabor
Esta caraterística potencia o efeito desejado no organismo. Cada alimento ou planta vai ter um sabor específico o que não quer dizer que esse sabor é o real na planta, mas sim a ação desejada.


- Picante (Yang)
As plantas de natureza picante vão atuar no Pulmão com movimento de dentro para fora, vão ter ação de dispersar ou mover. Tem a função de expulsar fatores patogênicos, atuando a nível da sudorese (transpiração). Promovem a circulação sanguínea e a circulação de Qi, aliviando a estagnação e a dor ( Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002)


- Salgado (Yin)
Salgado é o sabor associado ao elemento Água, utiliza movimento para o centro e para baixo, pois este sabor é necessário para a manutenção, suporte e nutrição do corpo humano, regulando assim o equilíbrio hídrico do organismo. Vai ter a ação de amolecer, umedecer e hidratar. É utilizado também para suavizar e resolver. Tem uma ação importante como purgante (poder desintoxicante) ( Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002).

- Ácido ou áspero (Yin)
Este sabor é associado à Madeira. As plantas com sabor ácido ou azedo têm propriedades e enzimas que vão ser úteis na digestão. Vai atuar no Fígado, tem a ação absorvente (retêm e prende) e ação adstringente (segura o Yin). Os seus movimentos são para o centro (Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002).


- Amargo (Yin)
Este sabor na MTC é dos mais intrigantes, pois encontra-se associado ao Fogo. Atua no Coração, dispersando o calor pelo seu movimento descendente (diminuído a inflamação). Tem na sua constituição alcaloides e glicosídeos que ajudam a neutralizar e a eliminar os agentes tóxicos presentes no corpo humano, e tem propriedades antibacterianas, antivirais e desintoxicantes. Uma função presente neste sabor é drenar a umidade secando os agentes tóxicos (Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011, Wang, 2002).


- Doce (Yang)
O doce associa-se ao elemento Terra. O seu movimento é ascendente e para o centro. Vai ter a função de nutrir, reforçando e tonificando. Atua no Baço e regula o Estômago. As suas propriedades são harmonizar, umedecer, aliviar a tensão e a dor (Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011, Wang, 2002).

2. Propriedades Térmicas
As propriedades térmicas ou de temperatura das plantas, realiza o balanço do calor e do frio, são uma das características principais em MTC. A temperatura fala da dinâmica energética das plantas individualmente, sendo classificada a partir das propriedades térmicas em ordem crescente ou decrescente), no tratamento dos síndromes (Hempen e Fischer, 2007; Ross, 2003; Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002).

- yin (fresco, frio e neutro)

- yang (quente, morno e neutro)

- Quente e Morno (Yang)
As plantas podem-se diferenciar entre quente e morno, no entanto estas duas propriedades tem o mesmo princípio de atuação. Elas têm intuito de dispersar o frio, de aquecer o interior sendo estimulantes circulatórios promovendo o movimento e o aquecimento do Qi e do Sangue. São estimulantes metabólicos (tonificando e ativando as funções do Rim, do Baço e do Coração), promovem a sudorese (limpando o frio e a umidade), estimulam o movimento, a transformação e secam, e desbloqueiam os meridianos. Exemplo de Plantas Quentes: Capsicum; Cinnamomum; Zanthoxylum; Zingiber; Exemplo de Plantas Mornas: Angelica; Citrus; Commiphora; Ephedra (Hempen e Fischer, 2007; Ross, 2003; Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002).


- Frio e Fresco (Yin)
Frio e Fresco são duas propriedades térmicas das plantas medicinais que têm como intuito tratar síndromes de calor. Têm a função de dispersar o calor e eliminar o Fogo, hidratando o Yin (Sangue e substâncias vitais) e lubrificando. Vão ter ação refrescante e de arrefecimento. Têm também ação antimicrobiana, anti-inflamatória, tranquilizante, sedativa, antipirética, inibem atividades dos órgãos. Exemplo de Plantas Frias: Anemone; Baptisia; Humulus; Pulsatilla; Exemplo de Plantas Frescas: Calendula; Echinacea; Iris; Salvia (Hempen e Fischer, 2007; Ross, 2003; Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002).

- Neutro
As plantas neutras não vão interferir com a temperatura corporal, são usadas para tratamentos neutros, ou então combinadas para o tratamento quente ou frio. Têm a ação de estabilizar (ação adstringente), tonificar, harmonizar (ação antiespasmódica) e equilibrar o Qi e o Sangue. Exemplo de Plantas neutras: Chamaelirium; Hypericum; Serenoa; Urtica (Hempen e Fischer, 2007; Ross, 2003; Tierra, 1998; Yuan, et al., 2011; Wang, 2002).

3. Direção da ação energética 


- Subida e Flutuação
Na subida e flutuação pode-se associar flores e folhas, estas são as que se encontram mais à superfície. Vão utilizar movimentos para cima e para fora, são associadas ao sabor picante e doce, são de natureza morna ou quente, representam o Yang.


- Descida e Submersão
Associa-se à descida e à submersão das sementes, frutos e minerais. O seu movimento é para baixo e para dentro, têm sabor amargo, ácido ou salgado, são de natureza fresca e fria, dispersam o calor e representam o Yin.

4. Meridianos e Zang-Fu 
As substâncias presentes nas plantas medicinais têm a capacidade de atuar apenas em meridianos específicos produzindo os efeitos terapêuticos em locais / canais específicos do corpo (Yuan, et al., 2011).

5. Forma


Produtos Vegetais


Raiz/Rizomas – as raízes são partes subterrâneas da planta e servem de âncora; os rizomas são partes subterrâneas na qual são desenvolvidos os sistemas de caule, folhas e flores. Estes, como estão em contacto com a Terra, vão absorver os nutrientes e Água presentes no solo. Simbolizam o Rim, o Baço e a sua principal função é tonificar (Heinrich, et al., 2012).


Caule – é usado para ascender a seiva alimentando as folhas e as flores. Simbolicamente encontra-se relacionado com o Fígado (Heinrich, et al., 2012).


Folhas – As folhas fazem a fotossíntese, “respiram” para nutrir a planta. Estão relacionadas com o Pulmão e com a pele (Heinrich, et al., 2012).


Flores – encontram-se na parte superior da planta (são colhidas antes de abrir). São órgãos reprodutores. As flores são indicativas do início da primavera e associam-se ao Fígado (Heinrich, et al., 2012).


Frutos – são o involucro da semente, que ajudam a nutrição da mesma. Têm movimento descendente, tendência para cair no solo. Estão associados ao Baço e ao Rim (Heinrich, et al., 2012).

Sementes – Têm a capacidade de germinar, crescer e ascender, vão simbolizar os Rins (Heinrich, et al., 2012).


Galhos ou vinha – são associados aos meridianos, membro e /ou vasos sanguíneos. Aliviam a dor eliminando a estagnação (Heinrich, et al., 2012).


Existem, no entanto, formas específicas que vão atuar nessas mesmas formas como, por exemplo, a casca atua na pele, o tubo na uretra, entre outros.


Produtos Animais – normalmente são analisados separadamente (Copasso, et al., 2003).


Produtos Minerais e Químicos – normalmente são metais ou conchas, agindo no Rim e nutrindo o Yin; combatem o excesso de Yang (Copasso, et al., 2003).

6. Cor


Vermelho – são plantas vermelhas (Chi). Associa-se assim ao Fogo, ao verão, ao Coração, ao sangue e aos vasos sanguíneos. Pode-se tratar de inflamação, como também pode ter função secundária (Tierra, 1998).


Branco – Tem o nome de Bai, simboliza o Metal, o outono, o Pulmão e o Estômago. Está relacionada com a natureza fria e por vezes com a umidade no Baço (Tierra, 1998).


Amarelo – São plantas amarelas ou com referência ao amarelo, simbolizam a Terra, o Baço, a umidade. O seu nome é Huang (Tierra, 1998).

Verde ou Azul – são plantas de cor verde e estão associadas à primavera e à Madeira. Por sua vez estão relacionadas com o Fígado e com os olhos. São tratadas por Qing (Tierra, 1998).


Preto – As plantas pretas ou de referência preta simbolizam o Rim, a Água, o inverno, e têm a função de nutrir o Rim. O seu nome é Qian (Tierra, 1998).

7. Toxicidade ou Inocuidade


Estas propriedades podem produzir reações sintomáticas que podem provocar danos nos tecidos do corpo. Não é recomendado administrar em doses superiores às aconselhadas (Liu e Liu, 2010).

8. Nível de Ação


As plantas têm um nível onde vão atuar. As plantas que têm sabor salgado vão atuar diretamente no Rim, as com sabor amargo vão atuar no Coração, as com sabor doce vão atuar no Baço, as com sabor picante vão atuar Pulmão e por fim as com sabor ácido vão atuar no Fígado (Hempen e Fischer, 2007).

Referências Bibliográficas

 

Oliveira, A. S. M., Fitoterapia Chinesa, Porto; 2016

 
Beijing, S. (1980). Essentials of Chinese Acunpuncture. Beijing, Beijing Foreign Languages Press.


Chia, M., (1989). Fusion of the Five Elements. Tailândia, Universal Tao Publications.


Clinic, T., (2013). Medicina tradicional china: el triple calentador. [Em Linha] Disponivel em: <http://www.tcmclinic.es/medicina-tradicional-china/medicina-tradicional-china-el-triple-calentador/> [Consultado em 03/03/2016].


Copasso, F. et al. (2003). Phytotherapy - A Quick Reference to Herbal Medicine. Berlin, Springer - Verlag.


Eckman, P., (2002). The theory of Oriental Medicine. Em: C. M. Cassidy e M. Micozzi, (Eds.). Contemporary Chinese Medicine and Acunpuncture. Filadelfia, Churchill Livingstone, pp. 12-41.


Guoan Luo, Y. W., Liang, Q. e Liu, Q., (2012). Systems Biology for traditional Chinese Medicine. Nova Jersia, John Wiley e Sons, Inc.


Heinrich, M., et al. (2012). Fundamentals of pharmacognosy and phytotherapy. 2ª ed. China, Churchill Livingstone Elsevier.


Hempen, C. H. e Fischer, T., (2007). A Materia Medica for Chinese Medicine - Plants, minerals and animal products. 2ªed. Londres, Churchill Livingstone Elsevier.


Herne, R., (2001). Magick, Shamanism & Taoism - The I Ching in ritual & Meditation. St Paul, Minnesota, Llewellyn Publications.

Hopwood, V., (2004). Acupuncture in Physiotherapy- Key Concepts and Evidence-Based Practice. Londres, Butterworth Heinemann - Elsiver.


Hui, Y., (2001). Approaching Traditional Chinese Medicine: Inheritance and Exploration. Em: Y. Lin, (Eds.). Drug Discovery and Traditional Chinese Medicine ( Science, Regulation and Globalization). Nova York, Springer Science + Business Media, LLC, pp. 1-12.


Jin, G.-Y., Jin, J.-J. X. e Jin, L. L., (2007). Contemporary Medical Acupuncture - A Systems Approach. China, Higher Education Press- Springer.


Jr, J. D. A. e Lien, E. J., (2013). Traditional Chinese Medicine. Cambridge, The Royal Society of Chemistry - RSC Publishing.


Kaptchuk, T. J., (2000). Chinese Medicine - The web that has no weaver. 1ª ed. Londres, Sydney, Rider.


Keji, C. e Hao, X., (2003). The integration of traditional Chinese medicine and Western medicine. European Review, 11(2), pp. 225-235.


Ko, K. M., Mak, D. H., Chiu, P-Y. e Poon, M. K., (2004). Pharmacological basis of ‘Yang-invigoration’ in Chinese medicine. Trends in Pharmacological Sciences, Volume 25, pp. 3-6.


Ko, K. M. e Leung, H. Y., (2007). Enhancement of ATP generation capacity, antioxidant activity and immunomodulatory activities by Chinese Yang and Yin tonifying herbs. Chinese Medicine, 2(1), pp1-10.


Law, K. M. Y. e Kesti, M., (2014). Yin Yango and Organizational Performance - Five Elements for Improvement and Sucess. 1ªed. Londres Springer - Verlag .


Legge, D., (2014). Yin and Yang Surfaces: An Evolutionary Perspective, Journal of Acupuncture anda Meridian Studies, 7(6) pp. 281-290.


Leung, P-C. e Xue, C. C-l., (2005). Chinese Medicine - Modern Pracitce. Singapura, World Scientific Publishing Co.Pte, Ltd..


Liu, Z. e Liu, L., (2010). Essentials of Chinese Medicine - Vol.2. Londres, Springer - Verlag.


Liu, Z. e Lui, L., (2010). Essentials of Chinese Medicine - Vol I. Londres, Springer- Verlag.


Lotus, S., (2001). Sacred Lotus - Chinese Medicine. [Em linha] Disponivel em: <https://www.sacredlotus.com/go/chinese-herbs> [Consultado em 07/04/2016].


Lui, C., Tseng, A. e Yang, S., (2005). Chinese Herbal Medicine - Modern Apllications of traditional formulas. Nova York, CRC Press LLC.


Maciocia, G., (2001). Los Fundamentos de la Medicina China. Cascais, Aneid Press.


Mollier, C., (2008). Buddism and Taoism, face to face - Scripture, Ritual and Iconographic exchange in Medieval China. Honolulu, University of Hawai'i Press.


Ping, L., (2002). El gran libro de la Medicina China. 2ª ed. Barcelona, Ediciones Martinez Roca, S. A..


Ross, J., (2003). Combining Western Herbs and Chinese Medicine. Nova York, Greenfields Press.


Stern, F. L., (2014). Reflexões sobre o uso da Nomenclatura "Medicina Tradicional" pela Naturologia. Cadernos de naturologia e terapias complementares, 3(4), pp. 53-63.


Stux, G. e Pomeranz, B., (1998). Basics of Acupuncture. 4ª ed. Canada, Springer-Verlag.


Thambirajah, R., (2009). Cosmetic Acupuncture. A Traditional Chinese Medicine Approach to Cosmetic and Dermatological Problems. Filadélfia, Churchill Livingstone - Elsevier.


Tierra, M. e Tierra, L., (1998). Chinese Traditional Herbal Medicine - Materia Medica and Herbal Resource - Vol.1. USA, Library of Congress.


Tierra, M. e Tierra, L., (1998). Chinese Tradicional Medicine - Materia Medica and Herbal Resource Vol.2. Inglaterra, Lotus Press.
Wang, R. R., (2006). Internet Encyclopedia of Phylosophy - YinYang. [Em linha] Disponivel em: <http://www.iep.utm.edu/yinyang/> [Consultado em 03/03/2016].


Wang, T., (2002). Chinese Herbal Medicine. Em: C. M. Cassidy e M. Micozzi, (Eds.). Contemporary Chinese Medicine. Filadelfia, Churchill Livinstone, pp. 84-103.


Weber, M., (1951). The Religion of China - Confucianism and Taoism. Illinois, The Free Press.


Wu, J.-N., (2005). An Illustrated Chinese Materia Medica. Nova York, Oxford University Press.


Yao, W., Yang, H. e Ding, G., (2013). Mechanisms of Qi - blood circulation and Qi deficiency syndrome in view of blood and intersititial fluid circulation. Journal of Traditional Chinese Medicine, 33(4), pp. 538-544.


Yuan, C-s., Bieber, E. J. e Bauer, B. A., (2011). Traditional Chinse Medicine. Florida, CRC Press - Taylor & Francis Group .
Yu, C. S. e Fei, L., (1993). A Clinical Guide to Chinese Herbs and Formulae. Edinburgo, Churchill Livingtone.


Yuen, J. e Gohel, M., (2008). The dual roles of Ganoderma antioxidants on urothelial cell DNA under carcinogenic attack. Journal of Ethnopharmacology, 118(2), pp. 324-330.


Zhang, G., (2002). Acupunctur and Moxibustion. Em: C. M. Cassidy e M. Micozzi, (Eds.). Contemporary Chinese Medicine and Acupucture. Filadelfia, Churchill Livingstone, pp. 60-83.


Zhang, Y. et al., (2014). Age-related changes in prevalence and symptom characteristics in kidney deficiency syndrome with varied health status: a cross - sectional observational study. Journal of traditional Chinese medical sciences, 1(1), pp. 20-27.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus