Fedegoso Verdadeiro - (Senna occidentalis (L.) Link)

Fedegoso

Nome Popular: Fedegoso
 

Outros nomes: sena-do-campo, sene-do-campo, sena-do-mato, folha-de-sene, habu, fedegoso-verdadeiro, folha-de-pajé, ibixuma, lava-pratos, maioba, mangerioba, manjerioba, mamangá, pajamarioba, paramarioba, tararucu, bambáia, balambala, café-negro, caieiriaba, cajá-marioba, crista-de-galo, crista-de-galo-fedorenta, crista-de-peru, cássia-mansa, cássia-menor, cássia-miúda, erva-fedorenta, fedegoso-de-capoeira, fedegoso-do-rio, fedegoso-do-Pará, fedegoso-legítimo, feiticiera, folha-de-pajé, ibixuma, lava-pratos, majirioba, mamangá, mata-pasto, mamaguá, mangerioba, paramarioba, peterioba, pau-mangerioba, payerioba, peieriaba, sal-do-Brasil, tarubu, taracucu, tarereque, tarerique, tareroque, sickle senna, ringworm plant (inglês).
 

Nome Científico: Cassia occidentalis L.
 

Família: Fabaceae.
 

Nomes Botânicos: Cassia corymbosa Lam., Adipera corymbosa (Lam.) Britton & Rose, Cassia crassifolia Ortega, Cassia falcata Dum., Chamaefistula corymbosa (Lam.) G. Don., Cassia tora; Senna corymbosa (Lam.) H.S. Irwin & Barneby; Cassia torosa Lloydia.
 

Nome Farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Partes Usadas: raízes, flores, folhas e sementes.
 

Sabor: amargo, doce, refrescante.
 

Constituintes Químicos: 1,8-di-hidroxi-antraqinona (Costa), xantonas (Wader e Kudav), ácidos cáprico, mirístico, palmítico, esteárico e oléico (Alencar ET al. apud 120), emodina (294), glicosídeos antraquinônicos, alcalóides e glicosídeos cianogênicos, rabarbarina, ácido crisofânico (379).
 

Propriedades Medicinais: emoliente; laxante; antitérmico; hipotensor; diurético (raízes); antiinflamatório; antiespasmódico; laxante; depurativo; febrífugo (raízes); anti-herpético; sudorífico; sarnicida; emenagogo (folhas); antianêmico (semente); tônico; oftálmico; antiasmático; anti-reumático; colagogo; purgativo (folhas); vermicida (raízes); desobstruente (raízes); ictiocida; antifúngico (extrato das folhas); hepatoprotetor (sementes); tônico (raízes); abortivo; hipotensor; antioxidante; antimalárico; antibactericida; anti-herpético; catártico; estomáquico; anti-helmíntico; antifebril; sudorífico; 
 

Indicações (Uso Interno): melanoma; desobstruente do fígado (sementes); redutor do colesterol; gases; anemia (sementes torradas); fraqueza; resfriado; purificação e desintoxicação do sangue; desinfecção do aparelho digestivo; controle da fermentação dos intestinos; prisão de ventre; aumenta o peristaltismo intestinal; hepatite com icterícia; febre; infecção urinária; controla hipertensão arterial; glaucoma; conjuntivite; antídoto de venenos; dores gastrointestinais; paludismo; inflamação uterina; sarampo; doenças hepáticas (sementes); febre biliosa; doenças venéreas; tuberculose (folhas); doenças de pele (folhas); icterícia; disenteria (vagens); paralisia (sementes); hemiplegia (sementes); doenças dos rins e da bexiga; convalescença (raízes); hidropsia; dismenorréia; inflamações dos olhos (folhas); reumatismo (folhas); febre palustre; olhos avermelhados; herpes; febres intermitentes; caquexia palustre; afecções da garganta; biliose hematúria flatulenta; dispepsia atônica; asma nervosa.
 

Indicações (Uso Externo): erupções cutâneas; queimaduras de qualquer grau (suco); eczema (folhas); erisipela; cortes (folhas); coceiras; micoses; tinha (raízes); picada de escorpião (raízes), hemorróidas (raízes); reumatismo (folhas); olhos avermelhados; inflamações nos olhos.
 

Indicações Pediátricas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Utilizações na MTC: nomes chineses: Wang Jiang Nan e Jue Ming Zi (Semen Cassiae Torae). Movimenta o Qi do Fígado. Elimina vento-calor e fogo do Fígado. Tonifica o Yang dos Rins e Bexiga. Tonifica o sangue do fígado. 
 

Classificação da Erva na MTC: Categoria 8 – Ervas para induzir movimentos intestinais • Categoria 12 – Ervas que regulam o sangue.
 

Elemento predominante na MTC: Madeira.
 

Atuação nos Canais: F, R.
 

Ayurveda (Ação nos doshas): nome ayurvédicos: Chakramarda, Chakri, Prapunnaada, Dadrughna, Meshalochana, Padmaata, Edagaja. Atua no sistema circulatório e no tecido plasmático. As folhas e sementes são utilizadas em doenças de pele. Misturadas ao suco de lima alivia coceiras e erupções cutâneas. A decocção das folhas e feita na proporção de uma parte de folhas para 10 partes de água e são ministrados 60 ml para crianças para alivio da febre causada pela dentição. Folhas fervidas com óleo de castor são aplicadas em úlceras e inflamações. As folhas, na forma de pó, são utilizadas em feridas supuradas. Cataplasma morno das folhas são usados para reduzir gota, ciática e dores nas juntas. As sementes são utilizadas para substituir o café e o chá preto.
 

Rasa: doce e amargo.
 

Virya: fria.
 

Vipaka: doce.
 

Informações em outros sistemas de saúde: os índios misquitos da Nicarágua usam a decocção da planta fresca para dores em geral, dores menstruais e uterinas, e para constipações em bebês (Gupta et al., 1979). A espécie C. oceidentalis tem uma longa história de uso pelos indígenas e indianas para febre, malária, problemas hepáticos, sarna e doenças de pele (Bardhan et al., 1985).
 

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Floral: FLORAIS DAS GERAIS – Fedegoso - vergonha e autocondenação por atitudes públicas e sociais. FLORAIS DE MINAS – Cassia -vergonha e autocondenação por atitudes públicas e sociais.
 

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Contra-indicações: evitar na gravidez e em casos de diarréia.
 

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Cultivo
 

Planeta regente: utilizada em distúrbios relacionados com o trânsito de Júpiter em Leão; Urano em Sagitário; Plutão em Leão.
 

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Habitat: planta de origem oriental difundida no Brasil. Muito comum no Amazonas. Espécie autóctone que medra em pastagens; terrenos baldios; pomares e áreas rurais. Planta muito comum na Índia e muito apreciada pelos japoneses.
 

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Descrição botânica: arbusto glabro de até 2 m de altura, com caule lenhoso na base, ramos quase cilíndricos; folhas alternas, paripenadas com ráquis comprida, estipulada e com glândulas na base, composta de folíolos apicais (quatro a seis pares), curto-peciolados, verde-escuros em ambas as faces; flores grandes, amarelas, cor de lírio ou violeta dispostas; racemos axilares; androceu com seis estames e três estaminódios curtos; gineceu com ovário piloso; frutos do tipo vagem glabra, achatados; sementes cilíndricas achatadas. A espécie é anual e floresce na época de chuvas; no Brasil é espontânea nas pastagens, beiras de estradas e próximo a culturas.
 

Toxicidade: as sementes apresentam toxicidade.
 

Colaboradores: RODRIGO SILVEIRA - Fitoterapeuta, professor, Coach de Bem-estar Natural, criador do ERVANARIUM.
 

Observações: as sementes, depois de tostadas são utilizadas como sucedâneas do quinino, tendo ação contra a malária. A planta é ictiocida, sem tornar o peixe tóxico. As folhas agem de forma semelhante a uma tintura de Iodo.
 

Fontes de pesquisa:

 

• As plantas e os planetas - Ana Bandeira de Carvalho - Ed. Nova Era

• CD Rom - Ervas Medicinais - Volume 1 - Anônimo • Chinese and related North American Herbs - phytopharmacology and therapeutics values - Thomas S. C. Li - CRC Press

• A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural - Raunei Iamoni - Ediouro

• Florais das Gerais - Catálogo

• Florais de Minas - Catálogo

• Indian Medicinal Plants - C.P Khare - Springer

• Medicinal Plants - utilisation and conservation - 2ª revised and enlarged edition - P. C Trivedi - Aavishkar Publishers, Distributors

• Plantas medicinais na Amazônia e Mata Atlântica - Luiz Claudio Di Stasi e Clélia Akiko Hiruma-Lima - Editora Unesp

• The Ayurveda Encyclopedia - Swami Sadashiva Tirtha

• Taiwanese Native Medicinal Plants - Phytopharmacology and Therapeutics Values - Thomas S.C. Li, Ph.D. - CRC Press

• The Divines Farmers Materia Medica - a translation of the Shen Nong Ben Cao Jing - Yang Shou-zhong - Blue Poppy Press, INC.

• Traditional Medicinal Plants and Malaria - Edited by Merlin Willcox, Gerard Bodeker and Philippe Rasoanaivo - CRC Press

• Veterinary Herbal Medicine - edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère - Mosby/Elsevier

• Fitoterapia Amazônica- Fernando Castro da Cruz - Ed. Palpite 

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus