MIL FOLHAS (Achillea millefolium L.)

MIL FOLHAS


Família: Asteraceae (Compositae)


Sinonímia: Mil-em-rama, milefólio, mil-folhada, erva-do-carpinteiro, alevante, aquiléa, erva de cortadura, erva dos carreteiros, pronto alívio Origem: Europa.


Descrição: Planta que possui rizoma rastejante e haste reta e pubescente. Os caules aéreos alcançam até 60 a 80 cm de altura. Folhas longas, estreitas e verdebrilhantes, subdividem-se em numerosos segmentos lineares bem finos, razão pela qual a chamam de mil-folhas. As flores, pequenas, brancas ou rosadas, reúnem-se em umbelas terminais e exalam um perfume intenso. Produz frutos pequenos e duros de sabor picante e amargo. É uma planta de clima subtropical a temperado.


Exige luz e calor para a produção dos óleos essenciais. Tolera climas secos, mas não tolera solo encharcado. Prefere solos com pH 6 a 6,3 e altos níveis de nitrogênio e fósforo. O teor de óleos essenciais varia de acordo com a parte da planta, as flores apresentam maior teor de óleo essencial, depois as folhas e caules.


Espaçamento entre linhas é de 0,50 a 0,70cm e entre plantas de 0,30 a 0,40cm.


Uso farmaco-terapêutica: Dores, hemorróidas, fissuras anais, cálculo renal.


Propagação: Por divisão de touceiras, por rizomas e por sementes (devem ser importadas, não produz sementes no Brasil).


Parte utilizada: Partes aéreas.


Constituintes químicos principais: óleo essencial(até 1,4%): Cineol e proazuleno, flavonóides (apigenina, luteolina, artemetina, rutina), mucilagens, taninos, cumarinas, bataínas, ácidos clorogênicos, heterosídeo cianogenético.


Formas farmacêuticas habituais: Infusão, Decocção.


Indicação, Preparo e Posologia: Na culinária pode ser consumida crua, picada, em saladas ou como acompanhamento de pão e manteiga. Para fins medicinais utilizam-se nos seguintes casos: tumores, feridas, golpes, contusões, queimaduras, afecções da pele, sarna, psoríase, eczema, manchas, antiinflamatória, antiséptica, antiespasmódica, anticaspa.


Uso interno: erva seca 2 a 4 g três vezes ao dia. Infuso 10 a 15g da erva em 1 litro de água, tomar 3 xícaras ao dia. Uso externo: pomadas antireumáticas.

 

Observação: é empregada na indústria alimentícia, como ingrediente básico na fabricação de licores e aromatizantes. O cineol – ação antiséptica e proazuleno – ação adstringente.

Esta planta medicinal é também muito ornamental por causa de suas flores brancas e folhas finamente recortadas, o que justifica seu nome. É usada desde os tempos mais remotos até hoje. Além de mil folhas é chamada ainda mil-em-rama, mil-folhada e milefólio. Seu nome científico é Achillea millefolium, da família Compositae. Achillea vem das lendas ligadas ao herói grego Aquiles, que teria curado com ela as feridas do rei Telefo, dos seus soldados e o seu próprio calcanhar. Uma lenda mais fantasiosa diz que sua mãe o mergulhou num banho de mil folhas para o tornar invulnerável a ferimentos. Como ela o segurou pelo calcanhar, este se tornou seu ponto fraco. Sua fama de curar feridas lhe deu outros nomes, como erva-dos-militares, erva-do-bom-Deus, erva-de-São-João e salvação-do-mundo, isto porque, ainda segundo uma lenda, quando São José, carpinteiro, se feriu, o menino Jesus foi buscar uma planta para curá-lo, e esta planta era a mil-folhas. Conforme diz um livro atual “é uma planta medicinal por excelência e possui qualidades antissépticas fantásticas. Com ela não existe infecção e poderia ser chamada de iodo ou mercúrio-cromo da natureza. Suas folhas e flores são consideradas tônico digestivo, remédio contra cálculos renais, calmante cardíaco, enfim no uso interno é um verdadeiro cura-tudo.

 

No uso externo, como se viu antes, desde Aquiles vem curando toda a sorte de ferimentos, úlceras, contusões, hemorragias do nariz e hemorroidas”.
Em resumo, ela merece realmente seu nome mais recente, pronto-alívio, porque cura ferimentos, estanca hemorragias, alivia dores (de dente, por exemplo), combate gripes e resfriados, é um tônico digestivo, abaixa a febre, é útil nos transtornos urinários e problemas menstruais. E existem ainda outros usos para a mil-folhas. Com ela se faz um vinho e também um licor. Nos meios rurais é utilizada não só devido às suas numerosas  propriedades medicinais, mas ainda para conservar o vinho, introduzindo no tonel um pequeno saco com sementes. 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

ALBUQUERQUE, J.M. Plantas medicinais: de uso popular. Brasília: ABEAS. 96p. 1989 (Programa Agricultura nos Trópicos, v.6).


ALMEIDA, E. R. de. Plantas medicinais brasileiras: conhecimentos populares e científicos. São Paulo: Hemus Editora Ltda., 1993. 341p.


ALZUGARAY, D.; AZULGARAY, C. Enciclopédia das plantas que curam: a natureza a serviço de sua saúde. 2v. São Paulo, 1996. 500p.


AMOROZO, M. C. de M. Algumas notas adicionais sobre o emprego de plantas e outros produtos com fins terapêuticos pela população cabocla do município de Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 9(2): 249 – 265, 1993.


AMOROZO, M. C. de M. e GÉLY, A. Uso de plantas medicinais por caboclos do baixo amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Bol. Mus. Paraense Emílio Goeldi, Sér. Bot., Belém, 4(1): 47 – 131, 1988.


BALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina, 23ed. São Paulo: A Edificação do Lar. v.III. 1967, 917p.


BALBACH, A. As plantas curam. 1ed., ver./mod. São Paulo: Vida Plena. 1995, 415p.


BERG, M.E.V.D. Aspectos botânicos do culto afro-brasileiro da casa das minas do maranhão. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 485 - 498, 1991.


BERG, M. E.V.D. Plantas de origem africana de valor sócio-econômico atual na região amazônica e no meio-norte do Brasil. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica. Belém, 7(2): 499-510, 1991.

 

BERG, M.E.V.D. Plantas medicinais na amazônia: contribuição ao seu conhecimento sistemático. Belém: Museu. Paraense Emílio Goeldi, 1993, 207 p.


CARIBÉ, J.; CAMPOS, J.M. Plantas que ajudam o homem. Cultrix / Pensamento Ed. 1991. 321p.


CASTRO, L.O. de Plantas Medicinais, condimentares e aromáticas: descrição e cultivo. Guaíba: Agropecuária, 1995. 196p.
COIMBRA, R. Manual de Fitoterapia. 2ed. Belém: CEJUP, 1994. 335p.


CORRÊA JÚNIOR, C.; Ming, L.C.; Scheffer, M.C. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2a.ed. Jaboticabal, FUNEP, 1994. 151p.


CRUZ, G.L. Dicionário das plantas úteis do Brasil. 4a.ed. Rio de Janeiro: Ed. Beltrand Brasil S.A. 1964. 599p.


DINIZ, M.F.F.M.; OLIVEIRA,R.A.G.; MEDEIROS, A.C.D. e MALTA JÚNIOR, A. Memento fitoterápico: as plantas como alternativa terapêutica – aspectos populares e científicos. UFPB, Ed. 1997. 201p.


FRANCO, L.L. As sensacionais 50 plantas medicinais campeãs de poder curativo. O Naturalista Ed. 1997. 241p.


LOBATO, A. M. Fitoterapia. Belém: Gráfica e Editora Amazônia, 1997. 123p.


MAIA, J.G. et al. Espécies de Piper da Amazonia ricas em safrol. Quimica Nova, Sao Paulo. 10(3):200-204, 1987.


MAIA, J.G; GREEN, C.L.; MILCHARD, M.J. New sources of natural safrole. Perfumer & Flavorist, vol. 18, 1993.


MARTINS, E.R.; CASTRO, D.M. de; CASTELLANI, D.C.; DIAS, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: UFV, impr. Univ., 1994.219p.


MARTINS, J.E.C. Plantas medicinais de uso na Amazônia. 2ed. Belém: CEJUP, 1989.


MORGAN, R. Enciclopédia das Ervas e Plantas Medicinais. Hemus, Ed. 1997. 555p.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. ; AKISSUE, M.K. Farmacognosia. São Paulo: Atheneu, 412p. 1991.


OLIVEIRA, F. de; AKISSUE, G. Fundamentos de farmacobotânica. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu Editora, 1989. 222p.


PANIZZA, S. Plantas que curam – cheiro de mato. IBRASA. Ed. 1998.279p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP,


Serviço de Documentação e Informação, 1994. 114p.


PIMENTEL, A.A.M.P. Cultivo de plantas medicinais na Amazônia. Belém: FCAP, Serviço de Documentação e Informação, 114p. 1994.


RIGUEIRO, M.P. Plantas que curam. Paulus, Ed.1992. 183p.


SANTIAGO, E.J.A. de. Aspectos anatômicos e do crescimento da pimenta longa (Piper hispidinervium C.DC.) em condições in vitro e in vivo. Lavras: UFLA, 1999.118p. (Dissertação – Mestrado em Fitotecnia).


SANTOS, C.A.M.; TORRES, R.K.; LEONART, R. Plantas medicinais. Ilustrações Flávio Mariano Filho – São Paulo: Ícone, 1988.


SILVA JÚNIOR, A.A.; VIZZOTTO, V.J.; GIORGI, E.; MACEDO, S.G.; MARQUES, L.F. Plantas medicinais, caracterização e cultivo. Florianópolis: EPAGRI, `994. 71p. (EPAGRI. Boletim Técnico, 68).


SILVA, I.; FRANCO, L.S.; MOLINARI, S.L.; CONEGERO, C.I.; MIRANDA NETO, M.H.; CARDOSO, M.L.C.; SANT’ANA, D.M.G. e IWANKO, N.S. NOÇÕES SOBRE O ORGANISMO HUMANO E UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS. Assoeste, Ed. 1995. 203p. EDITORA – UFLA/FAEPE – Compêndio de 208 Plantas Medicinais

 

TESKE, M.; TRENTINI, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Herbarium Laboratório Botânico, Curitiba, PR. 1995.317p.


VIEIRA, L.S. Fitoterapia da Amazônia: Manual de Plantas Medicinais (a Farmácia de Deus). 2a.ed. São Paulo. Agronômica Ceres, 1992. 347p.


VON HERTWIG, I.F. Plantas aromáticas e medicinais: Plantio, colheita, secagem e comercialização; 2a. ed.; São Paulo: Icome, 1991.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus