Sálvia (Salvia officinalis L.)

Sálvia


Outros nomes: salva, salva-das-boticas, salva-dos-jardins, salva-ordinária, salveta, erva-santa, salva-menor, chá-da-europa, chá-da-frança, chá-da-grécia, grande-salva, sábia, salva, salva-da-catalunha, salva-das-farmácias, salva-mansa, salva-das-farmácias, salvi, salva-mansa, salva-verdadeira, salva-da-catalunha.
 

Nome Científico: Salvia officinalis L.

Família: Lamiaceae.
 

Nomes Botânicos: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.
 

Descrição botânica: são plantas herbáceas ou arbustivas com folhas opostas cruzadas, inteiras. As flores são pequenas ou grandes, na maioria vistosas, reunidas em densas inflorescências, quase sempre axilares. As flores são diclamídeas, hermafroditas, pentâmeras, fortemente zigomorfas e bilabiadas. O androceu é formado por dois ou quatro estames e as flores que possuem dois estames, apresentam dois estaminódios. O ovário, na família, é súpero, envolto num disco glandular unilateralmente expandido e saliente; este ovário é também bicarpelar, bilocular, com dois óvulos por lóculo e falsamente tetralocular por invaginação dos carpelos; seu estilete é ginobásico. O fruto é seco constituído por quatro núculas. As sementes raramente possuem endosperma e quando este aparece, é escasso e o embrião é reto. Desenvolve-se bem em regiões de clima ameno como o sul do Brasil e quando cultivada em locais que recebam luz solar e cujo clima seja quente, sem excesso de calor. Em climas tropicais só se conserva viva em vasos, protegidos do excesso de radiação solar. Prefere solos de terrenos bem drenados, permeáveis, argilo-arenoso, leves, ricos em matéria orgânica e nutriente, com bom suprimento inicial e periódico de nitrogênio e com uma boa exposição à luz solar, podendo sofrer em terrenos úmido. O gênero Salvia possui cerca de 800 espécies de ampla dispersão, principalmente no Mediterrâneo e Oriente, e nas regiões montanhosas subtropicais.

Partes Usadas: folhas, sumidades recém floridas.
 

Sabor: amargo, picante, adstringente e refrescante.
 

Constituintes Químicos: óleo essencial (1,2 a 2,5%): contendo pineno, salveno, cineol, salviol, um princípio amargo (picrosalvina), tanino (2 a 8%), mucilagens, resinas (5 a 6%). Óleo essencial: 1,8-cineol, cânfora, borneol, a-tujona e outros terpenos, ácido ursólico, taninos, flavonóides, saponina, esteróis, ácido rosmarínico, cariofileno, a-humuleno, a e b-pineno.
 

Propriedades Medicinais: digestivo; carminativo; anti-sudorífico; anti-séptico bucal; resolutivo; sedativo; antiinflamatório; colagogo; antiespasmódico; anticaspa; antiperspirante; antioxidante; anti-reumático; balsâmica; cicatrizante das mucosas; desodorante; diaforético; emenagogo; eupéptico; germicida; hipoglicemiante; tônico; estimulante; anti-diarréico; antialérgico.
 

Indicações (Uso Interno): protetora do coração; catarro, bronquite; diabetes, diarréia, estomatite; fixador na confecção de perfumes; problemas gastrointestinais; reumatismo; vômito; tosse; rinites; sinusites; eleva imunidade, TPM; menopausa; melhora o trabalho de parto; asma; melhora o nível hormonal feminino; resfriado; angina; amigdalite; enxaqueca; icterícia; piorréia; dores ovarianas; depressão; tremores; vertigem; impotência sexual; albuminúria; elimina excesso de ácido úrico; descalcificação óssea; dismenorréia; artroses em geral; hipoestrogenismo; tuberculose; reduz o crescimento de placas bacterianas; insônia, psicoses; diminuição da memória; ansiedade; Mal de Parkinson; amnésia senil; atenua déficit funcional cerebral em idosos; melhora o sentimento de luto; sudorese noturna; previne apoplexia; doenças da medula e das glândulas; tremores e paralisias dos membros; fogachos; herpes; psoríase; glossite; colecistite; suor excessivo; cefaléia; inflamações intestinais; gases; má digestãoprotetora do coração; catarro, bronquite; diabetes, diarréia, estomatite; fixador na confecção de perfumes; problemas gastrointestinais; reumatismo; vômito; tosse; rinites; sinusites; eleva imunidade, TPM; menopausa; melhora o trabalho de parto; asma; melhora o nível hormonal feminino; resfriado; angina; amigdalite; enxaqueca; icterícia; piorréia; dores ovarianas; depressão; tremores; vertigem; impotência sexual; albuminúria; elimina excesso de ácido úrico; descalcificação óssea; dismenorréia; artroses em geral; hipoestrogenismo; tuberculose; reduz o crescimento de placas bacterianas; insônia, psicoses; diminuição da memória; ansiedade; Mal de Parkinson; amnésia senil; atenua déficit funcional cerebral em idosos; melhora o sentimento de luto; sudorese noturna; previne apoplexia; doenças da medula e das glândulas; tremores e paralisias dos membros; fogachos; herpes; psoríase; glossite; colecistite; suor excessivo; cefaléia; inflamações intestinais; gases; má digestão; tonificante do sistema nervoso; ajuda a reduzir a dose de medicamento na diabete (com supervisão médica); afecções digestivas.
 

Indicações (Uso Externo): aftas; fecha poros dilatados; gengivite; redução da oleosidade do cabelo; auxiliar no tratamento de rugas; picadas de insetos; caspa; piorréia; inflamações do couro cabeludo.
 

Indicações Pediátricas: as mesmas indicações que para adultos.
 

Utilizações na MTC: elimina fleuma-umidade do Baço; elimina umidade e mucosidades do Jiao inferior; para vazio do Qi; vazio do Jing do Rim; vazio do sangue do Útero; estagnação do Qi dos Intestinos, do Rim e do Útero; remove vento do Fígado; vazio do Yin do Rim com descalcificação óssea; fortalece o Qi do Pulmão; harmoniza o Shen e o Coração; tonifica o sangue. Erva que metaboliza as umidade, mucosidades e elimina estagnações.
 

Classificação da Erva na MTC: Categoria 5 – Ervas para reduzir umidade do corpo ● Categoria 12 – Ervas que regulam o sangue.
 

Elemento predominante na MTC: Metal.
 

Atuação nos Canais: BP, F, R, P, C, VC e VG.
 

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Vata e Kapha e agrava Pitta. Suavemente seca e leve.
 

Rasa: picante, amargo e adstringente.
 

Virya: quente.
 

Vipaka: picante.

Contra-indicações: na gravidez; na lactação; em portadores de epilepsia; pode causar olhos e boca seca; evitar em pessoas que estejam tomando medicamento para o coração; pessoas com irritabilidade acentuada; pessoas com grande excitabilidade nervosa. Em doses elevadas pode ser tóxica e causar agitação, alucinação e convulsões. Uso crônico pode causar danos cerebrais. Não deve ser usada em pessoas com insuficiência renal. Pode causar súbita elevação da pressão arterial.

 

Interações medicamentosas:  
 

Habitat: é uma planta originária do Sul da Europa. É muito difundida no Mediterrâneo, África e Américas Central e do Sul. 
 

Toxicidade: embora o óleo essencial contenha o composto tujona este não possui reputação tóxica. Foi observado não ser irritante ou sensibilizante na aplicação tópica em concentrações diluídas à pele humana.

Referências Bibliográficas

 

Côrtes, Janner Rangel, Ayurveda: a ciência da longa vida São Paulo: Madras, 2008.

Williamson, Elisaberth. Interações medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos; Porto alegre: Artmed, 2012. 440p; 25cm.

 

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

BORGES, EEL; BORGES, RCG; CANDIDO, JF; GOMES, JM. Comparação de métodos de quebra de dormência em sementes de copaíba. Rev. Bras.de Sementes, vol. 04, nº1, p.09-12, 1982. Disponível na internet no site: http://www.abrates.org.br/revista/artigos/1982/v4n1/artigo01.pdf dia 20 de março de 2008.

BEZERRA, AME; MEDEIROS-FILHO, S; MOREIRA, MG; MOREIRA FGC; ALVES, TTLA Germinação e desenvolvimento de plântulas de copaíba em função do tamanho e da imersão da semente em ácido sulfúrico. Rev. C. Agronômica, Vol. 33, N. 2. 2002. Disponível na internet no site: ccarevista.cnpat.embrapa.br/site/down.php?arq=13rca33-2.pdf dia 20 de março de 2008.

CARVALHO, PER. Espécies Florestais Brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo-PR: EMBRAPA/CNPF, 2003.

 

CAVALCANTI, BC; COSTA-LOTUFO, LV; MORAES, MO; BURBANO, RR; SILVEIRA, ER; CUNHA, KMA; RAO, VSN; MOURA,DJ; ROSA, RM; HENRIQUES, JAP; PESSOA C. Genotoxicity evaluation of kaurenoic acid, a bioactive diterpenoid present in Copaiba oil Food and Chemical Toxicology, V.44, issue 3. 2006.

COSTA-LOTUFO, L V; CUNHA, G M A; FARIAS, P A M; VIANA, G S B; CUNHA, K M A; PESSOA, C; MORAES, M O; SILVEIRA, E R; GRAMOSA, N V; RAO, V S N. The cytotoxic and embryotoxic effects of kaurenoic acid, a diterpene isolated from Copaifera langsdorffii oleo-resin. Toxicon, V. 40, Issue 8. 2002.

CRESTANA, C.M.S. & BELTRATI, C.M. Morfologia e anatomia das sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leg.-Caesalpinioideae). Naturalia 13:45-54. 1988.

FERREIRA, L.P.; PRADO, C.H.B.A.; MONTEIRO, J.A.F.; RONQUIM, C. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii após cinco anos de estocagem sob refrigeração doméstica. In: Congresso brasileiro de fisiologia vegetal, 8., Ilhéus, 2001. Resumos. Ilhéus: SBFV, 2001.

FREITAS, CRISTIANE V.; OLIVEIRA, PAULO E. Biologia reprodutiva de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae, Caesalpinioideae). Rev. bras. Bot., Sept. 2002, vol.25, no.3, p.311-321. Disponível na internet no site: http://www.scielo.br/pdf/rbb/v25n3/a07v25n3.pdf dia 20 de março de 2008.

KAGEYAMA, P.Y.; BIELLA, L.C.; PALERMO JUNIOR, A. Plantações mistas com espécies nativas com fins de proteção a reservatórios. In: Congresso florestal brasileiro, 6., 1990, Campos do Jordão. Anais. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura, 1990. v.1, p.109-112. Publicado na Silvicultura, n.42, 1990.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. v.1, 3ª ed. Nova Odessa. Editora Plantarum, 352p, 2000.

RAIN TREE Nutrition. Copaiba oil. Site: http://www.rain-tree.com/copaiba-oil.htm 2008

PAIVA, L A F; GURGEL, L A; SILVA, R M; TOMÉ, A R; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E. R; SANTOS, F A N; RAO, V S. Anti-inflammatory effect of kaurenoic acid, a diterpene from Copaifera langsdorffii on acetic acid-induced colitis in rats. Vasc. Pharm., V.39, Issue 6. 2002.

PAIVA, L A F; RAO, V S N; GRAMOSA, N V; SILVEIRA, E R. Gastroprotective effect of Copaifera langsdorffii oleo-resin on experimental gastric ulcer models in rats J. Ethnopharm., V. 62, Issue 1. 1998.

SALGADO, MAS; REZENDE, AV; FELFILI, JM; FRANCO, AC; SOUSA-SILVA, JC. Crescimento e repartição de biomassa em plântulas de Copaifera langsdorffii Desf. submetidas a diferentes níveis de sombreamento em viveiro. Bras. Florestal, N. 70. 2001. Disponível na internet no site: dia 20 de março de 2008.

© 2018 - medicinacaseira.com.br   

  • LinkedIn ícone social
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
  • Facebook ícone social
  • b-googleplus